sábado, 9 de julho de 2016


Não foi por acaso que o meu sangue que veio do Sul se cruzou com o meu sangue que veio do Norte. Não foi por acaso que o meu sangue que veio do Oriente se cruzou com o meu sangue que veio do Ocidente. 
Não foi por acaso nada de que sou agora. Em mim se cruzaram finalmente todos os lados da terra. 
A Natureza e o Tempo me valeram: séculos e séculos ansiosos por este resultado, um dia e até hoje, fui sempre futuro. 
Faço hoje a cidade do Antigo e agora nasço novo como ao Princípio: foi a Natureza que me guardou a semente apesar das épocas e gerações.  
Cheguei ao fim do fio da continuidade e agora sou o que até ao fim fui desejo: o Centro do Mundo já não é o meio da terra vai por onde anda a Rosa dos Ventos vai por onde ela vai anda por onde ela anda. 
Agora chego a cada instante pela primeira vez à vida, já não sou um caso pessoal, mas sim a própria pessoa.

(Texto de José de Almada Negreiros)
A cigana diz...






9 comentários:

  1. Um lindo texto, Frieda. Fico pensando quem foi que inventou a expressão "por acaso."

    ResponderExcluir
  2. O "por acaso" não existe...somos um agregado de misturas, de fusões, de encantos, desencantos...somos as conexões que o cosmo preparou.
    Não existem coincidências... não existem "por acasos"... és o que és. És aquilo que o destino preparou para ti, na mesa dos banquetes das pessoas.

    ResponderExcluir
  3. Nada é por acaso mesmo amiga.
    Bela ilustração desta mistura, desta saga, desta força
    que vem desta mistura e que não justifica a discriminação.
    Um bom domingo com alegria.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Muito belo, amiga! Perfeito o "casamento" entre texto e imagem! Bom ver o seu blog de volta, viu? :) Boa semana!

    ResponderExcluir
  5. "Não foi por acaso nada de que sou agora. Em mim se cruzaram finalmente todos os lados da terra."
    Fiz um excerto deste texto forte, belo, contundente... Desses que a gente lê num impacto, e de súbito nos assustamos com a profundidade da reflexão.
    Almada Negreiros deixou uma obra de primeira grandeza no cenário artístico português, e vale a pena ler textos como este.
    Uma bela imagem escolheste.
    Frida, espero que a tua vida esteja sendo aquilo que tu imaginavas que fosse, e que os sorrisos e as estrelas estejam fazendo parte do cenário dos teus sonhos.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
  6. Um grande texto de um grande escritor.
    Obrigado pela partilha, querida amiga.
    Frida, tem um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Forte e impressionante este escritor querida Frida, assim como a imagem da cigana...acredito que somos resultado disso tudo, nossa herança arquetípica, que mesmo vivendo em polos distintos e distantes no planeta terra, somos um só, temos uma mesma origem, querendo ou não. Minhas passagens por aqui nunca foram em vão, sempre saio com um aprendizado ou um encantamento.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir