terça-feira, 31 de maio de 2016


Naquele preciso momento o homem disse: 
«O que eu daria pela felicidade 
de estar ao teu lado na Islândia 
sob o grande dia imóvel 
e de repartir o agora 
como se reparte a música 
ou o sabor de um fruto.» 
Naquele preciso momento 
o homem estava junto dela na Islândia.

Jorge Luís Borges

7 comentários:

  1. Muito bom, minha amiga; o texto do Borges casou-se muito bem à imagem. E achei simplesmente fantástica a ideia de "repartir o agora"... por que tantas vezes esquecemos de fazer isso?! Obrigado, boa semana; fica bem!

    ResponderExcluir
  2. São estes preciosos momentos que nos fazem desejar (re)vivê-los quando ainda estamos a usufrui-los. Os versos do Jorge Luís Borges souberam bem delinear uma destas situações que se tornam inesquecíveis. Uma bela imagem! O amor deve sempre ter esta leveza, doçura e amplitude que a tela revela.
    Meu carinho, minha linda, nos sorrisos que estão sempre a brincar entre as estrelas que iluminam o teu caminhar. Eu, aqui, sempre a torcer pela tua felicidade na vida pessoal e na profissional.
    Helena

    ResponderExcluir

  3. as palavras
    ditas
    não serão
    esquecidas


    abç

    ResponderExcluir
  4. O grande dia imóvel é o dia da realidade verdadeira. Fora do tempo.

    ResponderExcluir
  5. Há coisas que nos fazem viajar sem sairmos do sítio...
    Magnífica escolha poética, gostei imenso.
    Frida, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Aguardo o próximo post, amiga; boa semana, fica bem!

    ResponderExcluir
  7. O que nos faz lembrar do Pequeno Principe,
    que podia estar onde seu coração levava.
    Que bonito amiga.
    Beijos

    ResponderExcluir