sábado, 28 de novembro de 2015


"Não confie no amor de quem não consegue ficar sozinho.
Nunca foi ao cinema sozinho, nunca viajou sozinho, perambula pela rua feito um cão que se perdeu do dono.
Sentar na lanchonete de uma livraria para tomar um cafezinho assemelha-se a uma catástrofe.
Sua solidão lhe parece vergonhosa e indigesta, é evitada com o mesmo afinco com que evitaria a morte.
Para ele, qualquer parceria é melhor que nenhuma. Uma conversa enfadonha é melhor que o silêncio.
Um chato é melhor que ninguém. É praticamente um viciado em companhia.
E como todo viciado, critério não é o seu forte.
Não confie no amor de quem não suporta a própria presença. De quem telefona a fim de papo furado, de quem envia mensagens só para ouvir o sinal da chegada da resposta, de quem precisa se iludir de que não está só.
Quem de nós não está só?
Uma manhã de frente para o mar, uma tarde com um livro, uma noite com um filme, três dias inteiros numa cidade estranha, uma rua que nunca foi atravessada, um museu com tempo livre à vontade, uma cama vazia – para ele, simulacros do inferno.
Não confie no amor de quem não se entretém. De quem se desespera em frente ao espelho.
Sozinho é uma coisa, solitário é outra. Sozinho é com, solitário é sem.
Não confie no amor de quem negocia sua autenticidade. Como amar de verdade outro alguém, se não sabe de onde esse amor vem? Amar é doar, não vem do doer.
Não confie em quem ama para ser um par, não confie em quem quer apenas se enquadrar, não confie em quem ama por não se tolerar.
Amar tem que ser extraordinário. Além do que já se tem. Se sozinho você não se tem, amar vira tubo de oxigênio, ânsia, invenção e enredo barato, perde a dignidade, o amor vira muleta e trucagem.
Confie, sim, no amor de quem não precisa amar por sobrevivência, de quem se basta e mesmo assim é impelido a se dar, porque dar-se é excelência, não é mendicância."

( Viciados em Companhia - Martha Medeiros )


Sobre meu medo de pessoas com esse comportamento estranho, caracteristica desses novos tempos...



12 comentários:

  1. Texto ótimo.... quem não sabe ficar sozinho, também não sabe ficar acompanhado...
    É só olhar as pessoas nos bares, nos locais públicos.... uma mesa cheia de colegas e todos sozinhos, teclando o celular....
    Eu heinnn?????????

    ResponderExcluir
  2. É tão bom estar só, quando o coração está sequioso de silêncio...
    Bela crônica, Frida.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Quem não consegue estar consigo mesm@, jamais será boa companhia para quem quer que seja,

    Minha querida, abraço com carinho e votos de bom domingo e semana feliz.

    ResponderExcluir
  4. Amiga..
    Quem não sabe ficar sozinho certamente não é boa companhia é alguém frustado
    ou com problemas a ser tratado.
    Estar só é om quando estamos precisamos conversar com n´s mesmo
    quantos momentos desse eu já tive na vida.
    Mas ficar com você acredito é estar bem acompanhado
    e te conhecendo talvez jamais ficará sozinho.
    Deus abençoe seu Domingo.
    Beijos..Evanir.

    ResponderExcluir
  5. Amar é compartilhar, verdadeiramente. É se entregar. Nunca apenas trocar. Parabéns, Frida. Como sempre o texto da Martha é lindo e muito inteligente. Obrigado.

    ResponderExcluir
  6. Está tudo dito ali. Sábia, a Martha.

    Um beijinho :

    ResponderExcluir
  7. Ficar sozinho é ter a oportunidade de sentir-se bem, em sua própria companhia.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. A Marta bem definiu e as reflexões calam fundo neste silencio, neste alheamento, neste desejo de amar e se perdem na essência. Belo texto e partilha amiga.
    Abraços e beijo de paz.
    Saibamos ser sós.

    ResponderExcluir
  10. Caramba!!!
    Texto sensacional, verdadeiro, essencial. Vou postar no Face.

    ResponderExcluir