domingo, 25 de outubro de 2015


Tentei me armar. Como se fosse para uma guerra. Em um lugar longínquo, ermo, e de temperaturas glaciais. Vesti todo tipo de agasalho. Peça sobre peça. E depois uma armadura. E mais armas. 
E me sentei a beira do abismo, sem saber qual seria a hora certa pra este incerto confronto.
Há quem chame de transparência. Há quem veja o despudor. Ou a nudez que não se cobre com vestes de guerra.
E você veio. Tuas horas não se contam. Teus passos não se ouve. Teus pensamentos não colidem. 
Teu controle não se perde. Tua vista tudo alcança. Teu poder não enfraquece. É tudo teu. O enredo. 
A razão. Todos os porquês.
E ainda o teu egoísmo. E aquele humor que retalha. Você não tarda nem falha. E não precisa de armas. Nem de fogo. Nem de água. Nem de um fôlego para descansar. Você guarda. Você monta guarda. Todos os lugares te são possíveis, e o impossível te cabe. Te veste.Te protege e te dota de sobrenaturalidades. É uma guerra impossível. 
Você veio. E lançou a isca. Previsível o andamento das peças. Um xadrez de mestre. Uma duas três jogadas e Xeque Mate. 
Eu caí com todos os meus peões no tabuleiro.





16 comentários:

  1. Um jogo interessante e perigoso que se pratica,
    A jogada final é a arte do encontro da vulnerabilidade.
    Bela partilha amiga.
    Uma linda semana com paz e alegria.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Acho que nos armamos por medo.
    Lindo post, Frieda. Boa semana!

    ResponderExcluir
  3. talvez não fosse, ainda, o momento de lutar contra a (ou de resistir à) previsibilidade. mas isto sou eu, tentado arranjar um contexto ou justificações para mim mesmo.
    :)

    ResponderExcluir
  4. Texto enigmático, prosa poética.
    Mas que anelzinho mais mimoso a moça está usando na foto...

    =)

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto, eivado de simbolismo que não se deixa decifrar.

    Minha querida, abraço bem apertado

    ResponderExcluir
  6. Nem sempre as armas nos permitem resistir ao poder da sedução...
    Magnífico texto, gostei imenso.
    Frida, minha querida amiga, tenha uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Há jogos assim com palavras em riste

    ResponderExcluir
  8. Muito bom, Arco-íris! E em verdade, minha amiga, de que valem todas as armas, contra o poder da atração? Boa semana!

    ResponderExcluir
  9. ...um dos poemas mais lindos que aqui li.

    ResponderExcluir
  10. Boa semana, Arco-Íris! Espero que estejas bem, amiga, e aguardo o próximo post.

    ResponderExcluir
  11. Raimunda não existe, digo, não conheço nenhuma Raimunda; foi só pra lembrar daquela frase: "Raimunda, feia de cara, boa de bunda.".

    ResponderExcluir
  12. Como decifrar esta batalha de palavras que mais escondem do que mostram os bastidores de um jogo em que o oponente já chega de vitória nas mãos... A princípio pensei tratar-se de um jogo de sedução... guerra travada de amor latente... busca e apreensão, entrega total... Enfim, busquei uma análise mais profunda neste verso "E ainda o teu egoísmo. E aquele humor que retalha", e fiquei a pensar que quem chega para seduzir não pode usar armas baseadas no egoísmo nem fazer uso daquele humor que azeda a relação... E aí, minha amiga, o mistério se tornou mais profundo. Mas por que tentar decifrar um texto poético de tamanha grandeza? Nenhum leitor conseguirá adentrar o mundo mágico onde o poeta esconde seus mistérios... E a beleza reside justamente aí, a mágica praticada que encanta e atordoa a platéia, e tanto a fascina que não importa a decifração do enigma, mas a aceitação total da beleza com que foi apresentado.
    E assim tu fizeste, minha linda, neste texto que, se não deciframos o enigma, deixemo-nos ser devorados pelo seu fascínio.
    Nenhuma outra imagem poderia coadunar tão bem com o teu escrito. Belo demais, os dois!
    Amiga, estou bem, o dia de ontem foi um marco, o meu antes e o depois, uma bênção na minha vida. Como se Deus olhasse para mim e decidisse levar a tristeza da minha alma, deixando um rastro de esperança e luz. Sinto-me em paz... Dessa paz que traz uma luz nova para o olhar que precisa se fixar na vida presente e futura.
    Grata por todo o carinho de sempre, te gosto muito lindo arco-íris de Deus.
    Um beijo com carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
  13. Frida, voltei para fazer uma pergunta que há muito deveria ter sido feita: E o Tio Sam, está te tratando com o carinho e deferência que mereces? Espero que sim, meu anjo, pois tu és uma pessoa linda que merece toda a felicidade do mundo. Da próxima vez, dá notícia, ok?

    ResponderExcluir
  14. Boa noite querida...não sei que horas são onde vc está, mas desejo que estejas bem. Que poema forte e belo...pois é, às vezes nos armamos até os dentes para nos defender de algo, e este algo nos pega no detalhe, na minúcia, num lugar onde não pensáramos que pudesse fazer. Todos temos calcanhares de Aquiles. E nem todos jogam limpo...a vida é perigosa, como dizia o personagem do grande Guimarães. Mas quem disse que precisamos ser heróis? Sermos humanos já nos preenche todo nosso tempo.
    Um grande e carinhoso abraço!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  15. Hola, Arcoiris!!!
    Caramba! Como a vecez nos maltrata la vida! Mas hemos de hacer frente y no dejarnos arrastrar por la corriente.
    Es un poema bello y profundo salido del alma sensible y dolida por el egoísmo que encierran otros seres sin escrúpulos que solo ven su bienestar.
    Ha sido y es siempre un placer pasar por esta tu casa.
    Te dejo mi cálido abrazo, mi gratitud y mi estima siempre.
    Se muy feliz.

    ResponderExcluir