terça-feira, 14 de julho de 2015




"Sou movida a ventanias e tempestades.
Pode parecer que sou soturna, mas, nas águas do meu desencanto, me encanto e me decanto.
Sou aquilo que você sente, bem mais do que pensa ver.
Não tenho medo do escuro, mas, me mantenho à beira da claridade.
Ela me guia, sempre esguia.
É na força da Terra e na temperança das águas fortes que lavo minh'alma e volto à tona mesmo quando pareço ter afundado.
Amiga do vento, neta da tempestade, filha do tempo, caminho no firmamento."



10 comentários:

  1. Dizem que o tempestuoso Beethoven
    (que tanto me emociona) buscou inspiração
    entre os ciganos.

    ResponderExcluir
  2. Adorável, Frida!
    Gostei do poema, da foto quase em movimento e da dança entre os dois.
    Também adoro ventanias, sinto-me bem quando o vento me assopra o rosto.
    Um abraço, e bom dia!

    ResponderExcluir
  3. Frida... você a cada dia, se revela mais e mais uma cigana......
    Bela imagem.... e um texto soberbo!!!!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, lindo poema em movimento , a foto é magica e atractiva, adorei.
    AG

    ResponderExcluir
  5. ....o movimento relaxa dias dificeis....
    um beijo

    ResponderExcluir
  6. Belo texto, bela imagem! E a verdade, amiga, é que os ventos e as tempestades são aqueles que mais rápido nos movem! :) Boa semana, estás bem?

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Frida.
    Belo poema, que mostra a sensualidade natural de nascentes.
    Vejo a autenticidade à flor da pele num movimento intenso.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  8. Assim como uma divindade do mar com toda sua força.
    Belo poema na riqueza da figura.
    Linda inspiração.
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Olá, Frida.
    Bonito poema de afirmação.
    bj amg

    ResponderExcluir