domingo, 8 de março de 2015

Ah!... Essa cigana festeira e alegre
Que caminha pelas ruas buscando
Em cada rosto um irmão, um amigo...
Mora comigo,
Faz do meu pranto comédia
E sorri da minha dor
Dança, canta, esquecida do amanhã,
Porque sabe que o hoje é vida,
Irreverente e dócil...
Ama e se entrega enfurecida ao amor!
Um que de místico mora em seus olhos,
Um que de sombrio acompanha seus passos...
Tantas vezes morreu e tantas voltou...
Insiste em ser feliz, viver!

Quem entende essa mulher, que vive
Lembrando sua infância, sendo na alma
Uma criança?...

Na luz da fogueira...rosto
Incandescente, apaixonado,
Louca de amor por tudo que a cerca,
Triste e alegre, mistura tudo velozmente!
Quero entendê-la, não encontro respostas...
Acho que nunca alguém a entendeu...
Ela mora em minha alma...
Essa cigana sou eu

 
(Desconheço o autor)


7 comentários:

  1. Esses versos mostram características muito belas, como a alegria e a sensibilidade da alma cigana. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo!
    A imagem da cigana é sempre forte e misteriosa. Como a maioria das mulheres.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  3. Só por acaso.... uma cigana... que é como todas as mulheres deveriam ser...
    Beijo de...
    Saudade

    ResponderExcluir
  4. Elas foram queimadas, em tempos antigos...porque ousavam ser livres, suas almas queriam espaço, eram aves que precisavam do céu inteiro para voar.
    "Para a feiticeira, andar pra fogueira, não é sacrifício...faz parte do ofício, faz parte do jogo, faz parte da trama: aumentar o fogo, pra dar vida à chama...minha cigana vestida de cetins e sedas, faz e desfaz dessa vida, dessas labaredas...sem medo da brasa viva, sem medo de nada...dança, sorri e caminha, toda iluminada!" (Ivan Lins)
    Um grande e carinhoso abraço

    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  5. Vaya foto tan buena y qué artística, me encanta.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  6. Insistir em ser feliz e viver.
    Eis a receita que vem das Marias Marias.

    Abraços minha amiga.
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Um poema que espelha a mulher cigana. Por extensão, simboliza a cigana que vive em cada mulher. A mulher que ama a liberdade!
    bj

    ResponderExcluir