terça-feira, 24 de fevereiro de 2015


 Só um sonho me reparte:
prevalecer,
ser o que nem sempre consigo.

Meus olhos são dois abismos,
eterno perigo de ser
o que é secreto,
o que é certo,
porém incabível.


("Impune" - do livro Desesperadamente Nua (1987))."
 Aíla Sampaio

2 comentários:

  1. Delicado retrato que faz de si mesmo o eu lírico, que não deixa dúvida das suas certezas.
    Abr.,

    ResponderExcluir
  2. Havia mais do que um desejo e incontáveis nãos.
    E dentro um montanha de desilusões e uma corda esticada sobre um abismo que era sua vida.

    Beijo amiga e lindo fim de semana.

    ResponderExcluir