quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015


Ela, Cigana.

Sou mulher do tempo, guiada pelo vento;
sou mulher do Sol e amante da Lua;
sou mulher da rua.
Sou mulher da luz e da escuridão,
minha casa é a imensidão.
Sou feiticeira antigamente perseguida,
mas ainda, por muitos, temida.
Sou andarilha sempre em busca,
guerreira sempre na luta.
Sou mulher de escolhas e de opinião,
vejo o destino na palma da mão.
Sou mulher de muitas diretrizes,
traçadas por minhas cicatrizes.
Sou mulher de corpo frágil,
mas de alma forte.
Sou a força de toda uma vida
e prova da inexistência da morte.
Se um dia eu cruzar seu caminho agradeça, moço,
poucos têm essa sorte.
 (Tania Bispo)

A cigana quer passar...



4 comentários:

  1. Os textos são muito bem escolhidos e a fotografia...
    de quem é? Incrível!

    Um druídico abraço!

    ResponderExcluir
  2. Linda a cigana que bem ilustra o belo texto da Tania.
    Ótima escolha na artilha amiga.
    Beijo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que lindo isso!
    Adoro poemas fortes assim, obrigada pela linda partilha.
    Desejo que o seu final de semana seja iluminado, bjo, lu.

    ResponderExcluir

  4. Muito boa a sua postagem lindo texto e mensagem. É preciso sempre correr atrás dessa força e não deixar q ela escape de nossas mãos. Com ela, podemos ir looonge e superar muitos obstáculos. AbraçO

    ResponderExcluir