sexta-feira, 29 de agosto de 2014





Tenho para mim que sou cria da Mata. Que sou fruto do ventre dos Solos virgens, da selvageria sem intervenção cívica. Tenho em meu corpo a extensão da Natureza ainda intacta, do Ar imaculado, da Nuvem criança, do Céu infantil. Sinto a liberdade do que há de mais genuíno no que é pueril. Tenho comigo a necessidade de enraizar-me até o descanso das asas, a atenção ao chamado dos Pássaros, a intenção da delicadeza das Pétalas, a percepção da agressividade da Selva. Tenho a irracionalidade dos Animais e a intelectualidade dos Poetas. Minha nudez não está no corpo, a Natureza do meu corpo é a minha festa.

(Marla de Queiroz)



terça-feira, 26 de agosto de 2014


É ela, a cigana, chegando para festa.
A cigana amor, a cigana de tantas eras.
Cigana de mil lutas e vitoriosas guerras.
Doce como mel... feroz como uma ventania.

( Mary Trujillo )


domingo, 24 de agosto de 2014




 Perdi os Meus Fantásticos Castelos  

Perdi meus fantásticos castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? –
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas...
Sobre o meu coração pesam montanhas...
Olho assombrada as minhas mãos vazias...

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"



quinta-feira, 21 de agosto de 2014



Quando o caos encontra morada
ele está a um passo da harmonia.

A roda da dualidade
que não pára de girar.

(Be Lins)





terça-feira, 19 de agosto de 2014



Ver e não enxergar
escutar e não ouvir
tocar e não sentir
falar e não dizer
por que meus sentidos me traem?


domingo, 17 de agosto de 2014


Adoro a idéia de Infinito.
Mesmo com os riscos,
com as adjacências que igualmente se perpetuam.
Pensar no Infinito é um troço inquietante. Se de fato, tudo é Infinito, deveríamos fazer conexões mentais mais inteligentes, não? Ligação com o que queremos como Infinito em nossa Vida.
Mais Alegria, por exemplo.
Mais Amor, mais parceria.
Tem alguma coisa na Bíblia que fala sobre "vigiarmos", mantermos o candeeiro aceso, pois não sabemos a Hora. 
A hora?_ é, a Hora. A Hora de nos esbarrarmos com algo muito bom, e estarmos prontos , atentos, aptos à receber esse algo bom. Ir além de desejar, estar de fato ligado ao fio prata do nosso ideal de existência. 
Um Amor?... por que não? Uma viagem longa, uma oportunidade excepcional, um chopinho com os melhores amigos, o livro certo, a partida, a chegada. Infinitas são também as Possibilidades.
Além do mais, não é adorável a idéia de que algo maravilhoso está zanzando pelo Infinito pronto para esbarrar com você? 
Pelo sim, pelo não, vou acender meu candeeiro.



 (Idéia Miúda - Uma Estrela na Mão )

 

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

terça-feira, 12 de agosto de 2014


E é-me indiferente estar aqui. Sempre que posso fujo, fujo no olhar que cegou o meu. Porque eu fujo e vou com tudo aquilo que me chama e me toca. Vou com o azul dos olhos do marçano ali da esquina, vou com as folhas das árvores no Outono da minha rua, vou com a noite à procura da manhã sobre o rio. Vou pelos arranha-céus acima e contemplo dos altos terraços o sono esbranquiçado dos mortos. Vou com o teu corpo que me desgasta a memória doutros corpos e me transforma em esquecimento… vou, vou sempre, pela humidade dos cardos presos em tua boca.

(Al Berto)


A vida segue seu rumo devagar... sem pressa, nem para chegadas e nem para partidas... quanto a nos, aprendemos a conviver com os extremos, tristezas e alegrias... aceitando que a vida é isso... é assim... feita de momentos... e que a unica certeza que temos é que precisamos seguir em frente... e confiar... pq é assim que tem que ser...

Agradeço a cada um as palavras de carinho e as oraçoes... ainda bem que com as adversidades aprendemos que isso é o que realmente tem valor... que é o essencial...



Obrigada...