quinta-feira, 9 de outubro de 2014

 Sobre reencarnações...



A primeira vez que sonhei com ele era uma garotinha de uns 10, 11 anos... nao dei importancia ao sonho, nao sabia que ele viria se repetir com uma frequencia assustadora, desde essa primeira vez e por muitos anos ele nao deixaria de frequentar meus sonhos...
Quando realmente dei importancia ao fato e resolvi falar com minha mae, eu ja estava com 12 anos, ela brincou dizendo que deveria ser algum menino que eu estava interessada e havia transportado esse interesse para o sonho, criando um rapaz ficticio, custei a convece-la que nao, que eu sonhava com esse homem a quase 2 anos... ela achou estranho, mas nao deu importancia...
Se passaram mais 2 anos, eu ja estava com 14 e tinha começado um namorico com um menino da escola, os sonhos começaram a mudar, em meus sonhos ele se tornava mais agressivo, ate um dia que acordei no meio da madrugada gritando, encharcada de suor e chorando, ele havia me prendido em um lugar que parecia uma moradia medieval... apos esse sonho tudo mudou, tinha medo de dormir, comecei a ter febre sempre ao cair da tarde... minha mae uma cigana espiritualista... casada com um homem totalmente catolico e conservador, achou que era hora de enfrentar o preconceito de meu pai e buscar ajuda na espiritualidade de seu povo... e assim foi feito...
Ao procurar essa ajuda, foi me dito que esse homem com o qual eu sonhava, era alguem de outras vidas, e que ja vinhamos juntos em muitas reencarnaçoes, e que eu orasse para meu guia espiritual me proteger, por causa da agressividade que ele demonstrava nos sonhos,  mas... na verdade nao me lembro de mais nada que foi dito que pudesse ser esclarecedor... so sei que realmente nao tive mais sonhos em que ele se comportava de modo agressivo... a febre que sempre tinha a noite foi cedendo... mas ele continuava em meus sonhos frequentemente...
Isso se repetiu ate o dia do meu casamento... a partir do dia que me casei nunca mais sonhei com ele... vez ou outra lembrava daqueles sonhos e ria achando que tudo poderia ter sido fruto de minha mente...
O pq disso, nao saberia explicar... mas nao dizem que nossa mente tem um poder que desconhecemos?
Mas... algo aconteceu que iria de novo mudar meus pensamentos...
Chegou um feriado grande e resolvi que precisava de ferias, nem que fosse apenas uma semana, procurei uma praia deserta em um resort, queria me isolar de tudo, descansar... desliguei celular, internet, desliguei de mim mesma...
Mas no meio da semana, em uma noite, no começo da madrugada... acordei assustada, eu tinha voltado a sonhar com ele, a primeira vez que acordei, nao me recordava direito do sonho, tudo estava confuso, mas sabia que era ele... levantei, tomei uma agua e voltei a dormir, e la estava ele outra vez no sonho... acordei pela segunda vez, agora ja estava quase amanhecendo, fui ate a porta da varanda que dava para o mar, fiquei um tempo sentindo a brisa e o cheiro... voltei a me deitar, sonhei de novo e agora me lembrava perfeitamente, no meu sonho eu estava em frente ao mar, na praia em frente ao hotel em que estava hospedada, estava sentada, sozinha... a praia estava totalmente deserta, desviei o olhar do mar, distraida olhei para o lado... ele vinha caminhando em minha direçao, estava com um short branco, carregava uma blusa azul nas maos... eu comecei a chorar compulsivamente e acordei assim... olhei o relogio, estava no meio da manha... levantei me sentindo muito mal, tendo arrepios de frio, estava com a temperatura em 38...
Peguei minhas coisas de praia e fui procurar meu filho que estava com a baba... ela ja estava entrando com ele por causa do sol, no nordeste o sol parece mais forte...
Resolvi entao caminhar... apos o feriado, a praia estava quase deserta...
Caminhei bastante... voltei, resolvi me sentar na areia em frente ao hotel... acho que fiquei olhando o mar por um bom tempo... ouvia um pouco distante a algazarra de tres crianças que estavam com o pai  fazendo esculturas na areia... pensei no meu filho, senti uma paz enorme... aquele vento gostoso vindo do mar... olhei para o lado... e la vinha ele... andando devagar, short branco, como no meu sonho... fiquei paralisada, meu coraçao batia tanto que eu podia ouvir o barulho que ele fazia... bem ali... um pouco distante... o homem que eu tinha sonhado a vida toda... eu nao conseguia desviar o olhar, nao conseguia respirar... tentei nao entrar em panico... fechava e abria os olhos, em uma tentativa de que aquela cena sumisse e fosse fruto da minha imaginaçao... nao sei quanto tempo durou isso tudo, mas quando ele se aproximou mais, tive uma reaçao totalmente inesperada... tive muito medo, me levantei, peguei meu chinelo na areia e corri literalmente para o hotel, me tranquei no quarto o dia todo... so voltei a sair, na noite daquele dia...
Ate imaginei que ele pudesse estar no hotel, ja que era uma praia frequentada praticamente por quem se hospedava no resort ... mas nao o vi...  resolvi ficar mais nas dependencias do hotel... nao caminhei mais na praia sozinha... nao tive outro sonho... os dias passaram, voltei para minha cidade e para minha realidade...

So uma pergunta ficou ecoando em minha cabeça... o que aconteceu naquela praia, foi real?  Em algum momento me deparei com o meu passado?




10 comentários:

  1. Eu creio em outras vidas e nas lembranças que, para que consigamos cumprir nossa missão nesta, são apagadas. Podem, entretanto, nos chegar, repentinamente. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. ¡Hola, Arco-Iris!!!

    Nos dejas un fantástico relato un sueño que estremece, que da mucho que pensar; no sé... quizá ese sueño tenga algo que ver con un pasado.
    También es que nuestra mente es muy imaginativa, y cuando soñamos algo así o parecido, le damos mucha importancia: y no es bueno dársela cuanto más se piensa en ello, más soñamos con la misma cosa. Por lo tanto hemos de relajarnos con ejercicios de respiración antes de acostarnos. Para así tener lindos sueños y no pesadillas.
    Ha sido un placer.
    Te dejo mi gratitud y mi estima, un besos en vuelo.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  3. Complexo hein...
    Vidas passadas na verdade fazem parte do presente, pois tudo oque já viveu encontra-se em memória celular. É errado imaginar que outras vidas estão numa linha temporal, que estão atrás da vida atual. Tudo ocorre ao mesmo tempo e assim penso que você deliberadamente ativou uma específica memória celular para transmutar algo importante de sua história pessoal. Não foi bem sucedida porquê na hora do enfrentamento, refugiou-se no medo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ok,
      Confesso que este caso é muito interessante...
      Não acredito em passado e nem em futuro, somente o presente...nele ainda existe o passado e nele já existe o futuro!
      Vamos a um dado importante desta história: seus sonhos desde criança eram sonhos de projeção astral, de saída do corpo físico ou será que eram sonhos e interpretações do dia a dia e das rotinas?
      Pelo que vejo e acredito, você é realmente uma sonhadora consciente e que vive com consciência em seus outros corpos.
      Neste caso, sonhar com este homem pode significar: existia um encontro marcado (no "futuro") com ele, vocês dois sabiam disso na experiência do sonho e tudo estava arranjado com algum propósito. Pois bem, quando o momento chegou, você devia estar muito mais preparada, oque misteriosamente não ocorreu....veja bem, você e ele se propuseram a isto no "passado". e vc perdeu a chance de resolver ou de ter o prazer de encontrá-lo no plano físico e não mais nos sonhos ("astral").
      Outra opção é que nada disso tenha sido real e que você esteja tão fortalecida em alguma crença, que seu firme propósito na crença, realizou a visão do homem, só para vc....se tivesse alguém na hora, ninguém teria visto ele...e você infelizmente seria chamada de crazy...
      bom, espero ter ajudado, mas o assunto é fascinante!

      Excluir
  4. Quem sabe?

    Eu muito gostaria de certezas....

    Interessante, o tema.

    Como saber mais, e ter as tais certezas?

    Se descobrires avisa-me, ok?

    Beijinhos


    ResponderExcluir
  5. Eu e uma pessoa muito querida tivemos a seguinte história, que pode te ajudar:
    Desde 2001 nos encontrávamos em plano astral. Com as mesmas características de nossos corpos físicos. Simplesmente curtíamos sair do corpo físico e viajar pelo planeta em corpo astral. Ela trazia a consciência dos eventos para nossa realidade melhor do que eu.
    Tanto é que em 2008 finalmente nos encontramos em por aqui em são paulo. Não a reconheci mas ela sim. E ai ela forçou uma amizade e me ajudou na lembrança...eu tinha anotado alguns destes sonhos, os quais me lembrava, e quando começamos a conversar ela relatou precisamente tudo oque tinha no meu diário...
    hoje somos super amigos e quem vai acreditar que na verdade já eramos amigos há muito mais tempo....

    ResponderExcluir
  6. Um assunto altamente complexo, porém de um fascínio que nos leva a procurar o entendimento em outras fontes.
    Gostei muito das reflexões do Ricardo Alves que me pareceu ter um embasamento muito profundo sobre o assunto.
    Pena que não tenha havido o tal encontro, pois poderias elucidar a questão que há tempos te atormenta. Mas acredito que um terás a tranquilidade necessária para deixar que o sonho/visão/realidade possa ter um prosseguimento maior e assim terás as respostas ao que tanto desejas.
    Continua a viver apenas as perguntas... pois elas também são um trampolim para indagações maiores que um dia, tenho certeza, hão de trazer as devidas respostas.
    Um sorriso e uma estrela no teu sonhar.
    Helena
    (http://helena.blogs.sapo.pt)

    ResponderExcluir
  7. Um tema bem complexo para uma debate e reflexão.
    As vezes eu penso que o ser humano é uma maquina tão perfeita para terminar sob sete palmos de terra, assim a vida continuaria após este fechar os olhos de um momento. Ouve-se muitos relatos que nos colocam sob estas vidas, que sempre vem nos apresentar e criar este clima de existência.
    Uma bela partilha amiga.
    Meu abraço com carinho.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Hoje, se me permite, queria comentar esta cena do filme.
    Nada poderia haver de tão forte e triste,
    porque, numa cidade grande, são mínimas as chances de
    reencontrar uma pessoa. Me pergunto se não seria responsabilidade
    de ambos, vencer a inação. Mas é tudo tão rápido.
    Beijo Frida!

    ResponderExcluir