quarta-feira, 29 de outubro de 2014


Quero alguém que salve
a minha parte mais doida,
quando acordo antes do dia.
Quando sou problema,
antes de ser saída.
Quero o tempo longe da espera,
Quero o sempre
mantendo nossa porta aberta.
Alguém que ganhe
com um silêncio,
a minha vida inteira.
 Quero o que vem inteiro.

(Pricila Rôde)


23 comentários:

  1. Espero bem que consiga encontrar o que quer, mas acho difícil...

    Minha querida, bons sonhos e beijos :)

    ResponderExcluir
  2. Todos nós queremos alguém que nos chegue inteiro, que salve a nossa parte mais doida que por vezes nos chega com o despertar, que coloque o tempo em nossos mãos sem que tenhamos de por ele esperar, alguém que num segundo silencioso nos ganhe por completo, alguém que chegue inteiro na nossa vida e que possa também nos absorver por inteiro...
    Ah, minha amiga, há tantos "quereres" nessa nossa curta vida!
    Além dos profundos versos fiquei também a admirar a mulher da imagem, demonstrando um momento de introspecção com os olhos enfeitados por uma bela maquiagem. Uma composição linda!
    Sorrisos e estrelas para enlaçar os teus momentos, minha amiga!
    Helena
    (http://helena.blogs.sapo.pt)

    ResponderExcluir
  3. Um querer na íntegra, total.

    Gostei demais do texto.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, querer o que faz sentir-se bem no antes de depois, ao concretizar esse seu querer, todos os outros queres vão estar ao seu dispor.
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Um querer MUITO INTENSO!!!
    Gostei.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  6. Olá FRIDA, tudo bem?

    e para encerrar Pricila Rôde, responderia como ela própria dizia:"E se me falta tempo pra ir embora, deixo o futuro esperar por mim".

    Um abração carioca.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  7. As coisas pela metade nunca são perfeitas...
    Belíssima escolha poética.
    Bom fim de semana, querida amiga Frida.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Mais uma vez, amiga: muito boas as suas escolhas! Belos versos, bela imagem! Boa semana, fique bem

    ResponderExcluir
  10. Todos precisamos de alguém que nos aceite com todos os nossos "senões" e, com este amor incondicional, nos ajude a encontrarmos nossa próprias saídas...
    Um beijão, querida amiga!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  11. gosto sempre muito dos textos que vejo aqui.

    beijinho *

    ResponderExcluir
  12. A solidão não é viver só, a solidão é não sermos capazes de fazer companhia a alguém ou a alguma coisa que está dentro de nós, a solidão não é uma árvore no meio duma planície onde só ela esteja, é a distância entre a seiva profunda e a casca, entre a folha e a raiz.

    José Saramago


    [né?]

    saudades,

    ResponderExcluir
  13. Ou tudo ou nada, o meio termo é que não pode ser... como disse o poeta Guedes Teixeira.
    Óptimo é quando se pode ter tudo.

    Dias felizes desejo.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderExcluir
  14. Arco-Íris de Frida,

    Explico.

    As bolhas de sabão representam o devaneio, as brincadeiras de criança, e o nada que o ser humano criou diante do tudo que Deus criou.

    Isso, ocasionalmente no nosso contexto cultural, eu por acaso inseri no período dos estudos da Escola de Sagres, e devaneei que, no prosseguimento daqueles estudos, viajou-se a uma outra galáxia.

    O humor está na dúvida de como a rapariga enfiou os cetros dentro de si. E na grandiosidade do sonho para a Escola de Sagres. E na expressão "índio espacial" que ainda faz o absurdo de indicar o caminho do Brasil, sendo que esse índio está em outra galáxia.

    =D
    Marcos

    ResponderExcluir
  15. ...e ainda por cima disse que a moça é varonil. hehe

    ResponderExcluir
  16. Arco-Íris de Frida,

    Explico melhor agora:

    As bolhas de sabão representam as brincadeiras de criança, e o devaneio, e também o nada que o ser humano criou diante do tudo que Deus criou.

    Isso, ocasionalmente no nosso contexto cultural, eu por acaso inseri no período dos estudos da Escola de Sagres, e devaneei que, no prosseguimento daqueles estudos, viajou-se a uma outra galáxia.

    O humor está na dúvida de como a rapariga enfiou os cetros dentro de si, basta ver com o que rima lisboeta. Há humor também na grandiosidade do sonho para a Escola de Sagres. E na expressão "índio espacial" que ainda faz o absurdo de indicar o caminho do Brasil, sendo que esse índio está em outra galáxia. E ainda há humor quando digo que a rapariga é varonil.

    O poder mundano é ridicularizado na figura do cetro e do Paço Imperial, pois neste são feitas as bolhas de sabão com cetros.

    =D
    Marcos

    ResponderExcluir
  17. Arco-Íris de Frida,

    Falô, obrigado por me ter, digo, ter me concedido a oportunidade de esclarecer o soneto.

    beijunda
    Marcos

    ResponderExcluir
  18. E acima de tudo queremos a liberdade de sonhar e ser feliz.
    Dizem que nascemos com este direito, mas sabemos o quanto
    lutamos para fazer valer esta afirmativa.
    Abraços.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  19. Venho desejar…

    UM NATAL MUITO ALEGRE E FELIZ, COM PAZ E MUITO AMOR NO CORAÇÃO.

    Um beijo
    Miguel

    PS – Às 0 horas do dia 22 publiquei novo post no DEUSA

    ResponderExcluir