sábado, 24 de maio de 2014

"Não retorno, jamais parto;
não tenho fim, nunca começo.
Vivo e morro enquanto vivo,
sobrevivo inevitável;
como infinito mistério: existo!"



 (Aíla Sampaio)

9 comentários:

  1. Profundo, esse poeminha tão breve...

    Minha querida, abraço com votos de excelente fim de semana

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde,
    A imagem é encantadora, vivemos tristes ou felizes, caminhamos até onde? não sabemos, sabemos sim, que partir do momento que nascemos, entramos em contagem decrescente, que podemos fazer para evitar a contagem? temos é que aproveitar todos os bons momentos para os viver intensamente.
    Tenha um dia feliz.
    ag
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Na fé, na esperança e no empenho por se ser melhor a cada dia.
    Continue trilhando pelos caminhos vida,
    pois um dia encontrarás o mais belo jardim,
    o jardim que representará a realização de seus maiores sonhos .
    E encotrarás a verdadeira felicidade
    por toda vida.
    Siga sempre um caminho sem atalhos
    certamente esse é onde encontrarás
    a sabedoria e a alegria de viver.
    Tenha fé em Deus acredite a vitoria é
    garantida.
    Carinhosamente desejo um feliz final de semana
    beijos e meu eterno carinho.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  4. Vivo e morro enquanto vivo...
    Excelente, como num pequeno poema se pode dizer tanto e tão bem.
    Bom domingo e boa semana.
    Beijo, querida amiga Frida.

    ResponderExcluir
  5. Um Poema bonito , que em poucas palavras diz muito |

    ResponderExcluir
  6. FRIDA,

    coube aos poetas o privilégio de poderem bordarem como verdadeiras rendas de Bilros,a realidade ao seu gosto,sua vontade, fantasias e ...poesia!

    É bom jogar com as palavras ,um jogo inteligente como se fossem nuvens de algodão em céu de brigadeiro e que se vão, passam,mas levam com elas nossas admirações extasiadas,pela beleza estética incomparável.

    Este poema contraditório e absolutamente lógico, provocador e tão sensato,econômico nas imagens, porém tão extenso nas suas projeções do sentir a realidade e com uma sensibilidade permissiva de um versejar libertário,voa alto.

    Tal qual a metamorfose que, transforma uma lagarta pegajosa encarcerada em casulo escuro, numa borboleta que pinta-se de um colorido mágico e voa, muito mais do que a mesmice daqueles que vivem solitários com os pés presos no chão das obviedades,este poema daria um livro,uma história de vida!

    Daria?

    Não ,deu!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  7. Bela escolha, amiga! O infinito mistério que existe em cada um de nós... Boa semana, fica bem!

    ResponderExcluir
  8. Uma existência eterna onde não mora o principio nem o fim.

    Somente a vida.

    Belo!

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. A síntese numa perfeita tradução do ser e da alma.
    Ótima partilha em poema de alta inspiração.
    Carinhoso abraço amiga,
    Beijo de paz.

    ResponderExcluir