segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Confesso que, mais de uma vez, eu tentei. Sob o teto de um quarto imaginado,
em uma cama que não cheguei a me deitar, desnudo e cru,
o reflexo de dentro dos espelhos se deslocou.
Porque me flagraram ali, no camarim.
Presa dentro de um espelho
onde já não estou. 

(Lídia Martins)

Um comentário:

  1. "Onde já não estou"...o tempo avança e nós com ele.

    Beijinho

    ResponderExcluir