quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013


 O pior do mundo é como ele está banalizado e alienado.
A morte é noticia diária, o amor não existe, homens agem como meninos. E meninas agem como mulheres.
A diferença, motivo de brigas. Respeito, um valor perdido.
A solidão virou amiga, a dor costume, as mentiras hábito.
O corpo de uma mulher se tornou mais valorizado que seu cérebro.
E o dinheiro de um homem, mas valorizado que seu caráter.
Mídia virou rede de mentiras.
Estilo se tornou um meio de chamar atenção.
Sexo virou assunto normal entre crianças de dez anos.
Sorriso perdeu seu valor e  Talento ficou desnecessário.
Pais viraram caretas e os avôs viraram mais uma programação chata de final de semana. A vida social se tornou mais importante que a família.
E casamento virou motivo de piada.
Romantismo morreu dentro das paginas de Romeu & Julieta.
Leitura é coisa de nerd, balada é coisa de "cool".
Beijar se tornou aperto de mão. Igrejas viraram bancos. Dinheiro, razão de vida.
Enquanto o Brasil inteiro discute o que acontecerá na próxima novela das oito.
Assassinos matam, crianças perdem a inocência, e o governo rouba.

Me sinto assim nesse mundo, inconstante, antissocial e estranha.
Diferente demais do restante das mulheres, diferente demais do restante do mundo.





Sempre tentei ser forte, talvez não o bastante. Gosto de me alojar no íntimo das pessoas, vejo o caos, o que por fora ninguém vê. Sou dessas que descrevem a alma dos outros, pois a minha, meu caro, por ser do avesso, ninguém jamais aprendeu a ler.
Ju Fuzetto 

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Mulher formosa criatura
Que habita o vale de meus pensamentos,
No fundo é o teu desejar
Apoderar-se de meus sentimentos.

Eu, cavaleiro de fina nobreza,
Sempre pronto para o bom combate
Despreparado para  esta contenda
Pois é pelo desejo que tu me abate.

Ao sentir sua doce presença
Um frio corre-me a espinha
E me acende um louco anseio,
Que sejas minha rainha.

Teus cabelos macios e perfumados
Emolduram teu rosto sedutor
Tornando-me ainda mais desejoso
De fazer-me serviçal do teu amor.

No teu corpo voluptuoso
Os seios saltam-me à vista
E aturdem ainda mais minha mente
Já dominada pelo fogo da cobiça.

Tua cintura esguia e escultural
Encaminha-me os olhos até tua generosa anca
Onde imagino minhas mãos repousadas
Como a segurar um brinquedo uma criança

E obcecado por este desejo
Sigo enfeitiçado por meu caminho
Louco por sentir o gosto do teu beijo
Ávido por ser digno do teu carinho.

Se um dia você quiser satisfazer
Estes desejos que vivo a sonhar
Venha num súbito rompante
E me faça teu vassalo sem chance de escapar.

Jogue-me na masmorra de seu castelo
Submeta-me a tortura e a dor
Mas não deixe nunca que eu morra
Sem ser agraciado pelo teu amor.

Ou então, seja ainda mais rápida
Não tenha piedade de meu coração
Introduza-lhe a espada da recusa
E liberte-me do grilhão da ilusão. 

(Amor Medieval - Valter Montani)
Amores medievais.... amores que segundo consta a historia duravam a vida toda e seguiam pós-tumulo... eram os famosos  "amores eternos"...Alguns bons seculos depois a historia muda... hj vivemos amores "fast-food"... "amores de prateleira"...  tudo esta muito exposto... é so pegar... comer e jogar fora  o que sobrou, a embalagem que nao satisfaz   mais... pq na prateleira mais proxima a outra embalagem exposta é mais interessante e convem mais para aquele momento...
E assim vamos vivendo carencias... engolindo sapos e fingindo que digerimos bem os amores de prateleira...
Diz a historia que os amores medievais eram os perfeitos... visto Francisco e Clara... Abelardo e Heloisa... Lancelot e Guinevere... Tristao e Isolda e tantos outros que se tornaram imortais... reais ou mitologicos entraram para a historia como amores verdadeiros... entao enquanto nao se inventa  uma maquina do tempo para que possamos voltar ao passado... vamos sonhando com essas poesias sobre amores assim...eternos...

sábado, 9 de fevereiro de 2013



Bora curtir o carnaval comigo?
Mas... na fazenda... ao som de cigarras, passarinhos, o coaxar dos sapos... é... nao tem principes... so sapos mesmo...
E a bebida oficial do carnaval é o suco feito com frutas frescas colhidas na hora...
Tem comida quente  feita no fogao a lenha... mas... é comida mineira... couve com angu e torresmo, costelinha de porco...  frango com quiabo ou frango com batata... tem tbm bife com batata frita pra quem gosta e aquele ovo caipira mal passado por cima do arroz quentinho... que a gente brinca de furar com o garfo e ficar vendo ele esparramar no arroz... huuum... adoro... lembranças da infancia...
De sobremesa arroz doce, doce de leite com queijo, doce de cidra, de laranja, pudim... 
E quando a gente vê, ja ta na hora do cafe da tarde... que por sinal quase emenda com o almoço ( mineiro é assim... tem comida o dia inteiro em cima do fogao)... tem os biscoitinhos feitos pela Vo ou pela Ba... biscoitinhos de nata, de chocolate, de polvilho... bolo comum, broa... a broa com queijo nao pode faltar... pao de queijo saindo do forno quentinho com cafe passado na hora e passado no coador de pano... nada de filtro de papel...
Se mesmo assim vc achar que ta ruim... vamos nadar no rio, mas aviso que a agua é fria... podemos andar a cavalo, ir para o pomar subir nas arvores e chupar a fruta la mesmo no pé... brincar de escorregar na grama ou apenas andar pelo campo observando as montanhas em volta... mas por favor... sempre usar botas de cano alto para se proteger... é assim que fico na fazenda... botas, calça jeans ou short, cabelo solto e se bobear nem passo o pente nele nos dias em que estou la... e nao precisa de mais nada... simples assim... nada de  frescuras...
A tardinha o bom mesmo é ficar na rede lendo... lendo... lendo... ou se preferir ... dormindo...
E a noite... ah... a noite... sentar no balanço com as luzes da varanda apagadas... contando e vendo o piscar dos pirilampos... ouvindo os barulhos da mata... tentando adivinhar de qual bicho é o som e em qual distancia da fazenda ele esta... nao tenho medo dos bichos... na verdade tenho medo é das feras que habitam a cidade  e seus sons e açoes ... tenho medo é desse tal de Homo Sapiens...
Entao... bora curtir o carnaval comigo no ritmo da roça?





Sou das Minas de ouro
Das montanhas Gerais
Eu sou filha dos montes
Das estradas reais