sábado, 4 de maio de 2013



 Tsara Cigana

Podia sentir o tempo impreciso para onde o sonho me conduzia . ''Tsara cigana''- sufocando , desmanchando verdades, construindo devires.
Caminhei horas, por estradas de terra, atrás daqueles nômades. A tsara deles era o tempo. Ciganas de saias coloridas e flores no cabelo cantavam uma música estranha aos meus ouvidos. Ciganos com dentes brilhantes e bocas grandes riam para mim. Tudo absolutamente confuso e sedutor. Queria entender a língua delirante e plural - viver a experiência em terrenos ''linguageiros''.
Desde pequena, senti um misto de torpor, medo e encantamento pelas inúmeras famílias de ciganos que se instalavam perto do sítio de minha avó. A curiosidade era tanta que minha mãe logo farejou o perigo:-''Menina, você não pode falar com ciganos. Eles seduzem você, contam histórias bonitas e levam você embora com eles pelo mundo.''
Uma vez, somente uma vez, decidi infrigir a regra de não falar com aqueles ''seres estranhos que roubavam coisas''.
Eu brincava na rua e percebi um momento de respiro- meus pais se ausentaram, pensei. Corri para a saia rodada da cigana sorridente e perguntei: '' Se eu virar cigana posso usar saias coloridas e falar coisas que ninguém entende? ''
Ela olhou para minhas roupas velhas e escuras e parecia ter contato com meu segredo. Antes que eu pudesse correr, ela chamou um cigano e falou algo indecifrável. Corri o mais rápido que pude, mas não sei como, eles me levaram com eles e permaneceram em mim como enigma. Vidas que se tangenciaram e depois partiram...
A vida daqueles ,''que andavam sem destino previsível'', sempre foi muito mais interessante que a vida que acontecia na praça e na igreja da minha cidade.
Carregavam nesse ''corpo-andarilho'', uma música que dedilhava saudades e sonhos perdidos. Caminhavam com tanta coisa! Devia ser para não despencar em queda alada para dentro do céu e das montanhas de Minas.

( Desconheço o autor )



5 comentários:

  1. Oi, querida!

    Bem, acho que estive olhando a sedutora imagem, que encima o texto, uns bons minutos, não sei quantos, mas estive, porque vestir e me maquilar, assim, faz meu género.

    Desconheces o autor/a, mas é um texto bem real. Quantas vezes, você não sentiu aquela vontade de estar e conversar com a "nossa" gente?

    Te digo, e você sabe que há ciganos lindos e muito bem formados, bem melhores que os outros homens, e que não me importaria de ser "roubada/levada", por um deles.

    São seres muito livres e cheios de encanto. Como, desde menina convivi com eles e convivo, já acho tudo tão normal. Há coisas que só eles/as sabem fazer e dizer.

    E as mulheres ciganas mais velhas são tão boas conselheiras! Guardam, em suas mentes, verdadeiras enciclopédias.

    BFS, com liberdade e amor.
    Beijos da Luz, que te muito te aprecia e estima.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Frida, querida!

    Dormes, ainda, como é natural.

    Por aqui, a vida já começou e a luz já nos faz brilhar os olhos.

    Seu Pedrinho? Tudo bem?

    Abençoado e lindo domingo pra vocês.

    Beijos da Luz, com muita amizade e ternura.

    ResponderExcluir
  3. Um mundo encantado o dos ciganos. Mitos, histórias e muito desconhecimento levaram a essa etnia não se deixar masssificar.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, Arco-Íris... seja quem for o autor! Boa semana.

    ResponderExcluir
  5. Um texto encantador. Esse mistério dos ciganos nunca vai terminar. Faz parte da cultura de seu povo. Bjs.

    ResponderExcluir