quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Uma cena de filme

.Eram as horas de um  fim da tarde. Mais noite do que dia, mas com aquele pouquinho de dia que resta em todo entardecer. Ela estava em sua casa. Do aconchego desta casa que a abraçava, ela gostava. Só não gostava do que faltava, e oque faltava, era oque não podia ser. Não podia era tempo rejeitado, e oque não podia era sempre desejado. Todo dia, um pouco mais. Oque não podia rondava. Sem que ela o visse, no vazio do outro lado da rua, ele olhava. Olhava as luzes que se acendiam como se fosse um lindo começo de dia. Ela estava lá. Havia alegria.  Ele a via, sendo que ela sequer imaginava que ele estava tão perto de onde ela era guardada, dentro dos seus aconchegos quase perfeitos. Parecia estranhamente feliz e não feliz. Ele gostava de olhar. Ela de imaginar. Não há separação que suporte isso. Nada se conclui. Viviam  uma sintonia que não dormia. Não os poupava, e ademais, os oprimia. Sincronizados estavam seus corações afastados. Um respirar mais profundo de um e, logo ali, do outro lado da rua, era respondido no mesmo respiro segundo do outro. Correspondido. Parecia um chamado que queria ser atendido. E então, ela foi à janela. Sofria com toda aquela harmonia, e a culpa da falta do que não podia. Afastou-se de seus aconchegos e tomou o telefone. Sorriu tristemente e teclou aquele número inesquecível. O som de um telefone tocando reverberou por perto. Ele assustou-se. Era o seu o telefone a tocar. Na tela riscada, o nome daquela que não podia. Atendeu prontamente sob o o risco de ser flagrado ali, em frente á casa dela.  Olá. Olá. Silêncio. Palavras desconexas, sem nenhum sentido exato que não fosse, saudade. Ela fez que ligou por conta de algum acaso. Ele fez que surpreso estava no acaso. Enquanto ele a via em cores, ela o via nas cores de um  sonho. Tocaram-se naquele instante telefônico que os alimentaria por dias.Viviam das migalhas que concediam-se. Odiavam-se por isso. E amavam-se ainda mais.  Quando o amor não pode, ele arde mais e acaba sendo tão mais querido... Desligaram com os votos disfarçados de uma boa alegria. Qualquer coisa poderia ser dita. Uma só traduzia: queriam-se tanto que nem sabiam. Ela voltou pros seus pra dentros. Ele ficou nos seus pra foras. Seguiam incansáveis  na esperança de viver a mesma cena em circunstâncias favoráveis. Suspiravam, amoráveis, separados por suas eternas demoras.

(Postado originalmente por Be Lins)


E QUAL É A CENA DO FILME DA SUA VIDA?



16 comentários:

  1. excellent post, very informative. I'm wondering why the other specialists of this sector don't understand this.
    You should proceed your writing. I am sure, you have a great readers' base already!
    Also visit my web-site : recortes prensa

    ResponderExcluir
  2. Olá, querida Frida!

    Que forma maravilhosa de descrever e sentir um amor!
    Sabes, que isso não é fição, nem imaginação de quem escreve. Isso, essas "migalhas" tão cheias e completas, acontecem com algumas pessoas, não com todas, infelizmente.
    Vivi linha a linha do texto e você que o postou, também.

    Como todas as pessoas, a minha vida também tem, uma cena de filme, mas não foi só na tela, foi, realidade mesmo.
    O filme se chamava "A Amante do Tenente Francês". Vale a pena ver. Quando passa na TV, vejo sempre. Eu era adolescente, e tinha imensos sonhos, que, graças a Deus, concretizei alguns, mesmo sendo só por um dia, um mês ou dois.

    Te desejo um bom fim de semana, com amor.
    Beijos da Luz, com carinho.

    PS: entendi, perfeitamente, seu comentário. Só mesmo quem vive as situações, pode entender aquilo que eu escrevo.

    ResponderExcluir
  3. O filme daminha vida é...a minha própria vida.
    As cenas são inumeráveis. As que prefiro têm a ver com descobertas de amores e encontros intensos.
    Um drama comico trágico com ficção à mistura.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Adorei a cena.
    A cena do filme da minha vida... Vou escrevendo (sem gostar muito do gerúndio).

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu fico a pensar qual seria a cena do filme da minha vida, já que, são tantas e tão confusas que eu não saberia dirigi-las.
    Gostei desse questionamento que levou-me a refletir um pouco do que estou fazendo da vida.
    Até...

    ResponderExcluir
  6. Amores proibidos, tão urgentes quanto ardidos, belíssimo texto Frida, já conheci amores assim, já fui confidente de muita gente, alguns concretizaram o sonho, outros só sentiam mesmo o sonho não o amor.

    As cenas da minha vida dariam um filme sim, meio de terror, meio romântico, meio policial, mas sem dúvidas de comédia também... rs

    Que teu final de semana seja abençoadíssimo minha querida.

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante este texto de fina expressão carregado deste sentimento, que faz criar incomodos da alma com reflexos no coração.
    Viver per si já uma cena de filme amiga.
    Um carinhoso abraço de paz e luz da minha admiração.
    Bom fim de semana.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  8. Oi, querida amiga!

    Tudo bem com você e Pedrinho?
    Olha, a casa da imagem, que encima seu post, é linda. Estive, agora, reparando bem nela. Aquela luz, que vem de dentro, sobressai no outro tom.
    Fica, assim, meia rústica, meio palaciana. Bonita, mesmo.

    Te desejo uma semana, de paz, harmonia e amor.
    Beijos e abraços da Luz, com muito apreço e estima

    ResponderExcluir
  9. Belo texto, bela imagem. Que bela escolha! Boa semana.

    ResponderExcluir
  10. Passei para conhecer o seu mundo, confesso, que achei o mesmo um tanto misterioso.

    Bj

    ResponderExcluir
  11. Minha querida

    Palavras que me disseram tanto...senti-me escrita nesta cena, tantas vidas são assim.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  12. Para uma semana de novas emoçoes amiga.
    Meu terno abraço.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  13. ele passou por ela e a fitou ela fitou de volta, troca de olhares na correria de São Paulo, ele seguiu, ela seguiu, não se falaram
    e mais um romance não vivido
    fim


    essa é minha cena mas gostei mais da sua
    mais densa, detalhista e com certeza mais memorável
    na minha historia nem o telefone a tocar tiraria a apatia..ou não

    ResponderExcluir
  14. Algumas esperas, realmente, podem ser eternas.
    Queria viver num filme do Fellini, mas tudo na minha vida
    é curtametragem.

    ResponderExcluir
  15. Esse alimentar um querer sem o querer/poder dizer é capaz de constituir a razão de viver de duas pessoas. É preciso audácia para trazer a ficção à realidade, ou, ao menos, tentar fazê-lo, quebrando a magia e o mistério. Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Minha querida

    Passando para deixar um beijinho e desejar um bom fim de semana.

    Sonhadora

    ResponderExcluir