segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Silêncio

Permita-me desfalecer enquanto disserto sobre coragens que não tenho. Deixe-me ir quando não houver mais disposição para ficar. Aceite minhas falhas que hoje me definem e me limitam, mas diga o que for preciso pra me corrigir. Deixe-me chorar pela incompletude desses dias que não passam, mesmo que seja bobagem, mesmo que minha solidão seja infundada e incompreensível. O telefone não toca e se você não conhece o desespero do silêncio, apenas aceite.

Eu ando sorrindo mentiras por aí. Fazendo novos eus, como se só houvesse possibilidade de ser verdade ao lado de alguém. É coisa de gente que se ilude, eu sei, gente que espera o aval de outras pessoas para ser feliz. Mas é que me dá um aperto, uma angústia. Você sabe do que eu estou falando, aquele sentimento que a gente tem quando todo dia é segunda-feira. Eu espalhei muito sorriso à toa, pra ver se um deles prendia alguém no canto dos lábios. Não funcionou. Mas ainda tenho alguns guardados, chorosos, quase desistentes, quase sem motivo, esperando valer à pena escapar pelos olhos.

Perdoe-me a indelicadeza, a maneira bronca no convívio humano. Falta-me a consciência de amar. Sobra-me o medo de ser mal entendida. Tenho limitações bobas que não se explicam com definições certas, palavras existentes. Tem um dicionário inteiro de termos ainda não criados para falar sobre mim. Não sei o que, não sei o motivo, não sei como. Não explico, nem me importo. Apenas sou. E isso tem que bastar.

Você me pergunta se eu não tenho coração. Eu tenho. Tenho um coração vazio de ódio ou amor. Se você não consegue ouvi-lo é porque não faz ele bater. Me provoque, me ofenda, brigue comigo, mas não me deixe presa no comum. Não permita que o tédio silencie meu coração.

Verônica H.
"Ultimamente não estou esperando coisas boas, e nem ruins, de nada e nem de ninguém. Por mim, tanto faz, cansei de criar falsas expectativas. "
- Caio F Abreu


E quando tudo está desmoronando, o que eu peço é apenas paciência.
Por mais um dia. Eu peço paciência.
E é impressionante, ela nunca vem.

Letícia Medeiro
E finalmente eu tô aprendendo. Demorou né?! Eu sei, mas é assim mesmo.
Tô aprendendo a esperar menos, a parar de superestimar acontecimentos.
Tô aprendendo a dançar conforme a música, sabe?
E principalmente, tô aprendendo a não criar mais drama do que a vida já nos oferece.
Provavelmente é o melhor a se fazer no momento.

Letícia Medeiros



Venho contendo emoções que não cabem em mim.
Venho recebendo sentimentos que não são meus, não são pra mim.

O que deveria ser fácil, é mais difícil do que pensamos.
E me parece inevitável não "meter os pés pelas mãos".

Por que isso, Deus?
As pessoas tem uma necessidade incontrolável de (só) querer o que não se tem.
E por "pessoas", refiro-me a mim mesma. Na esperança de não ser eu, a única.

Única também a sentir que isso tudo é a maior cilada
e que alguém sempre tem que se machucar no final.
Quando isso acontece, termino sempre como a mais machucada da história
e com aquela sensação do "Poderia ser diferente".

Já sentiu isso?

Que alívio.

Letícia Medeiros
"Nó grande. Olhos úmidos. Nove vezes que você coloca a mesma música para tocar, porque nada mais pode ser dito depois dela."

Sim... eu estou triste...

Contrários...

O coração só para pra depois voltar a bater;
A gente só morre pra um dia voltar a nascer;
A gente só perde pra saber o valor que é ter;
Enfim, o ciclo e os contrários ensinando a viver.


(...)Nada de amargura ou remorso; sem pendências ou inquietações. Serena, faz uma reflexão breve sobre a vida. Nem tudo é alegria, tampouco tristeza. Somados os momentos bons e ruins, conclui que é preciso apreciar a doçura das pétalas, sem esquecer que os espinhos fazem parte da estrutura dessa flor chamada vida.(...)

domingo, 29 de janeiro de 2012


"Minha distância, que você percebe e julga ser frieza, é apenas um mecanismo de defesa contra o que virá depois. Já me acostumei à desilusão e sua argumentação em favor do mundo não vai ajudar. Estou desiludida de mim, dos meus impulsos, das minhas incapacidades, da minha falta de sentidos, não das outras pessoas. As outras pessoas cumprem direitinho com seu papel, se esforçando pra quebrar meu gelo, algumas gostando sinceramente de mim, apesar da falta de resposta. Sou cigana, sou estrangeira, sou de partida, nunca de chegada. Sou de começo e fim, não de durante."

(Verônica H.)
É assim que se faz nao?
Bem que por diversas vezes pensei em toda a verdade contar...mas...se protege quem se quer bem...mesmo trazendo sobre si todas as calunias...



A janela esta aberta e o vento que entra por ela faz lembrar o campo. Me faz querer cavalgar sem rumo sentindo o aroma das flores . Dias bonitos. Coisa boba para algumas pessoas. Mas só quem vive sabe o segredo.  Queria sentar aos pés daquela árvore que um dia escrevi meu nome dentro de um coração. E ficava ouvindo música e planejando meu futuro. Lia alguns livros encantados. Onde construía sonhos coloridos. Doces sonhos... Também ensaiava alguns passos. Passos... Se soubesses das pedras que haviam no caminho, teria aproveitado um pouco mais. Talvez não fizesse diferença, mas ao menos teria tentado.

Filosofia pura


A partir de agora, deixo a lógica para os matemáticos. A mim interessa a filosofia dos magos, dos bruxos. Essa coisa toda de universo, destino, de "o que tiver de ser será".
Tenho fé que o caminho das estrelas é mais cheio de mistérios que o resultado de dois mais dois.
Chega de sentimentos calculados, conversas analisadas, de querer o que não posso ter. Além do mais, tem todo um charme não saber o por quê.
Que eu diga amém a todo instante que me surpreende, que me emudece, que me confunde. Que eu entenda cada vez menos. Abro mão, definitivamente, da monotonia da exatidão.

Sabrina Davanzo
Mas nem tudo sao espinhos...qualquer coisa tem seu lado bom...ainda bem ne? Pois é...
É meu amigo...a vida é um trem desgovernado a 250 quilometros por hora e vindo direto na sua direçao...
Agora é esperar... acho que as coisas sao assim mesmo...tatear no escuro...
O tempo da travessia se aproxima...
Hj tive um sonho...acho que era bom...nao sei...as vezes nao sei se sonhos podem ser levados a serio...dizem os antigos que sao pressagios...dizem os terapeutas que sao desejos reprimidos...eu ja nao penso  mais nada...talvez tenha sonhado pq eu tenha ficado pensando na minha vida...como mudou em tao pouco tempo...
Como é isso? como é essa coisa de haver mais coisas entre o ceu e a terra do que possa prever nossa vã filosofia? Como tudo muda de um dia para o outro? Como é dificil viver aqui na ignorancia do que traçamos na patria mae antes de renascermos outra vez... como é dificil por vezes entender como é esse meandro de acontecimentos que te conduz por situaçoes inusitadas...quantas vezes disse que nao era pra ser assim...que nao era a hora...quantas vezes chorei... tive medo... mas nao tive escolha... era a hora...  agora é a hora...eu nao sabia...mas era a hora... depois...bom... depois nao sei... descobri com tamanha exatidao o que cresci ouvindo minha avo dizer: O homem põe e Deus dispõe... O homem faz planos, mas é a Deus que compete realiza-los ou nao...
Aprendi que tudo...absolutamente tudo... foge do nosso controle...com o que aconteceu comigo... posso dizer isso como uma mestra nos planos da vida... aprendi que vc pode escolher o vestido mais bonito para ir a uma festa...mas nao pode controlar o motorista que passara com o carro em uma poça de agua suja e te molhar e sujar inteira ...te impedindo de arrasar com o tal vestido na festa... assim como aconteceu com a tragedia no RJ... uns sairam dez minutos antes de seus amigos... pais... dez minutos... pq? pq uns sobreviveram e outros nao? pq aquela noiva esperou para realizar seu sonho  durante nove anos e tao perto do casamento seus sonhos foram soterrados com seu noivo... pq? pq nao somos deuses... e tem situaçoes que simplesmente nao temos escolha ... pq podemos decidir se comeremos maçã ou pera no cafe da manha...e vai ate ai as nossas escolhas...mas nao podemos decidir se chegaremos vivos ao nosso compromisso apos o cafe da manha...
Pq a vida tem os seus motivos que hj nao entendemos...que existe um tempo para cada coisa acontecer...
Pq eu aprendi que é assim...como um tabuleiro de xadrez...vc acha que joga... por mais inteligente que vc seja... é um jogo... e alguem dara o xeque-mate... e nem sempre é vc...


       

O Amor




Amores possiveis..



A Pilar de Saramago..





"a Pilar que me agarrou pela gola do casaco e não me deixou cair ao poço" [na verdade, o que está escrito no livro é: "A Pilar, que não deixou que eu morresse"]
" Dedicatória de Saramago, no seu livro A Viagem do Elefante. in entrevista ao Ípsilon em Novembro de 2008.



"Olharei a tua sombra se não quiseres que te olhe a ti. Quero estar onde estiver a minha sombra, se lá é que estiverem os teus olhos." Saramago, O Evangelho Segundo Jesus Cristo.
Frase que Pilar del Rio mandou inscrever no vestido que usou na entrega do Nobel.





Todos os relógios na casa de Saramago em Lanzarote, nas Ilhas Canárias, marcam 4 horas da tarde.
Foi o momento em que ele viu pela primeira vez a jornalista sevilhana María del Pilar del Río Sánchez, o grande amor da sua vida, em 1986.
Juntaram-se em 87 e casaram-se em 88.
Vinte anos depois, aos 84 anos, o escritor resolveu se casar pela segunda vez com a mesma Pilar – agora com 56 anos e sua tradutora para o espanhol – numa cerimônia civil em Castril, nos arredores de Granada, na Espanha, terra da companheira.














Na esquina das ruas está uma placa, de azulejos, com orla em tons de amarelo, exibindo o nome de Pilar del Rio seguido da citação constante no livro Pequenas Memórias: “A Pilar que ainda não havia nascido e tanto tardou a chegar”. Pilar, que recebeu uma réplica da placa toponímica, desejou que “todos os enamorados do Mundo se encontrem e dêem um beijo nesta esquina”.










Todos os relogios em sua casa marcam 4 horas da tarde...o momento em que ele viu pela primeira vez o grande amor de sua vida... esse amor me comove...






Era uma vez, mas eu me lembro como se fosse agora.
Eu queria ser trapezista, minha paixão era o trapézio.
Me atirava do alto na certeza que alguém segurava-me as mãos não me deixando cair.
Era lindo , mas eu morria de medo , tinha medo de tudo quase: Cinema, parque de diversão, de circo, ciganos, aquela gente encantada que chegava e seguia.
Era disso que eu tinha medo.
Do que não ficava para sempre.

(Texto de Antônio Bivar, extraído do disco Drama 3°Ato/1973 de Maria Bethânia)

sábado, 28 de janeiro de 2012

"(...) Sim, é verdade, eu tenho medo das gentes, pra dizer a verdade eu me cago de medo das gentes!
O que eu tenho visto de pulhas, de máscaras atadas dia e noite sobre umas caras de pedra...
O que eu tenho visto de mesquinharia, de crueldade, de torpeza, de estupidez..."
(Hilda Hilst)


"Assisti através da janela, ao sol nascer.
E constatei, aliviado, mas também um tanto escandalizado,
que ele nasceu de forma idêntica à de todos os dias da minha vida, apesar de tudo."


[Roberto Freire]




Descobri que sou inteiramente louca.
Louca de pedra
De pau
De ferro
De aço
De louça
E quebro à toa .


[Maria Carmem Barbosa]


"Li uma vez que você vive não sei quantas mil horas
e pode resumir tudo de bom em apenas cinco minutos.
O resto é apenas o dia-a-dia. Um olhar, uma lágrima que cai, um abraço...
Isso é muito pouco na vida. Então, isso vale mais que tudo para mim.
Prefiro não acreditar no Day After, no fim do mundo, no apocalipse ".


"A vida é tão desconhecida e mágica,
dorme às vezes do seu lado...calada"

[Dele, Cazuza]
"Porque pertenço à raça daqueles que mergulham de olhos abertos
E conhecem o abismo pedra a pedra, anémona a anémona, flor a flor."

[Sophia de Mello Breyner Andresen]




Havia um tempo de cadeira na calçada.
Era um tempo em que havia mais estrelas.
Tempo em que as crianças brincavam sob a clarabóia da lua,
e o cachorro da casa era um grande personagem.
E também o relógio da parede!
Ele não media o tempo simplesmente: Ele meditava o tempo.

(Quintana)


Ontem de manhã quando acordei
Olhei a vida e me espantei
Eu tenho mais de 20 anos
E eu tenho mais de mil perguntas sem respostas...

(Elis Regina, 20 anos Blue)



Quantas vezes tentaram adivinhar o que sentíamos, e erraram.
Julgaram nossas ações, e erraram.
Tiveram certeza sobre nossos propósitos, erraram.
O que somos de verdade e o que queremos de fato, só nós sabemos.
Só nós.
- Sós. -

[Martha Medeiros]


Às vezes enxergo tão profundamente a vida que, de repente,
olho ao redor e vejo que ninguém me acompanhou

e que meu único companheiro é o tempo.

[Quando Nietzsche Chorou]
Muitas vezes
sentia que não passava de uma esponja encharcada,
cheia de emoções humanas.


[Virginia Woolf]

Sei que as pessoas estão pulando na jugular umas das outras.

Meus amigos, meus irmãos, sejamos delicados, urgentemente delicados.



Com a delicadeza de São Francisco, se pudermos.


Com a delicadeza rija de Gandhi, se quisermos.



Mas de novo vos digo: sejamos delicados. E se necessário for, cruelmente delicados.

[Affonso Romano de Sant'Anna]


Os desertos, que atravessei, ninguem me viu passar..
estranha e só
 nem pude ver que o céu é maior...
[Zélia Duncan, catedral]
 



- Eu venho sempre à tona de todos os naufrágios. -


( Mário Quintana)


Acerto o relógio pelo sol.
Percorro as dez quadras
de meu mundo.
As ruas são conhecidas
e me atalham.


[Fabricio Carpinejar, poema do livro Cinco Marias]



Ha ocasiões em que não consegues nada,
nem um sorriso, outras em que consegues tudo,
até cartas de recomendação. 
Não te queixes, nem te gabes. 
Era que os anjos estavam brincando de rapa-bota-tira-deixa…
E a tua história quotidiana é tecida ao acaso dos lances.
Até que sobrevenha o R do rapa-tudo.

(Aí então os anjos te recolherão.)

[Mário Quintana in “Sapato florido” ]


Sinto que,
 ao cruzar a cancela,
não estarei entrando em nenhum lugar,
 mas saindo de todos os outros...

(Chico Buarque, do livro Estorvo)
 
 
 
Quem não chegou a uma estação tarde de si ,
a pressentir que o último ônibus passou?

[ Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas]



A vida girou em falso como faz em tantas ocasiões,
e deu-se o desequilíbro. A gente cai, levanta, 
uns seguem de perna quebrada,
outros de miolo mole, e muitos vão sem coração.
Mas cada um vai como pode.

[Maitê Proença - Uma vida inventada: memórias trocadas e outras histórias]



“Mas não tenho mais tanta pressa.
Comecei a aprender a ser mais gentil com o meu passo.
Afinal, não há lugar algum para chegar além de mim.
Eu sou a viajante e a viagem."
Voz maravilhosa...

" Fala-me de tua alma
De teus segredos
De teus olhares

Fala-me de tuas noites
... De teus desejos
De teus sentimentos inacessíveis

Fala-me qualquer coisa.
Que eu possa fingir para mim mesmo,
Que ainda não sei ... "


( Bruno de Paula )
 
 
 "As pessoas são pesadas demais pra carregá-las nos ombros, por isso, levo-as no coração."
(Dom Hélder Câmara)
 
 
 
"Eu carrego comigo uma caixa mágica onde eu guardo meus tesouros mais bonitos. Tudo aquilo que eu aprendi com a vida, tudo o que eu ganhei com o tempo e que vento nenhum leva."

(Cris Carvalho)
 
 
"No início você briga, chora, faz drama mexicano. Então percebe que é cansativo demais manter esse jeito de levar as coisas... Acostuma-se..."




Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam.
(A Hora da Estrela)


Porque o mundo, apesar de redondo, tem muitas esquinas.



"Loucura, eu penso, é sempre um extremo de lucidez. Um limite insuportável."



"Acho espantoso viver, acumular memórias, afetos."

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O Morro dos Ventos Uivantes




O MORRO DOS VENTOS UIVANTES

Autor: Emily Brontë
Editora: Publifolha
Ano: 1998
Número de páginas: 362



"O Morro dos Ventos Uivantes" é único romance que a autora escreveu e conta uma das histórias de amor mais surpreendentes de todos os tempos. O livro é um clássico da literatura inglesa e é tido como favorito por milhares de pessoas.

A paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine nasce na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes. Os dois são amigos de infância e o destino, de forma muito cruel, os separa quando jovens. Mas o amor entre eles é mais forte do que tudo e deixa rastros de ódio e vingança por onde passa.

"Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna. Eu sou Heathcliff."
(fala da apaixonada Cathy)
"Se tudo o mais perecesse e ele ficasse, eu continuaria, mesmo assim a existir; e, se tudo o mais ficasse e ele aniquilado, o universo se tornaria para mim uma vastidão desconhecida, a que eu não teria sensação de pertencer."

Sim... "O Morro dos Ventos Uivantes" é uma história de amor. Só que bem diferente do que costumamos ler em Romeu e Julieta. Mas nem por isso menos bela.

A linda e mimada Catherine se vê rodeada por dois amores: Edgar Linton, rico e inteligente morador da Granja dos Tordos e Heathcliff, o jovem que cresceu junto a ela no Morro dos Ventos Uivantes, pobre, cujo único bem era o amor que tinha por ela.

O jovem Heathcliff, sempre humilhado por sua condição social, transformou-se numa criatura vingativa e cruel, que só se satisfazia com o sofrimento das pessoas. Cheio de amor por Catherine e magoado pela rejeição que sofreu, dedica todo o seu ódio a todos que estão de qualquer forma associados à sua história - até mesmo aos mais inocentes.

A autora Emily Brontë narra o amor dos dois de uma forma linda e trágica, na narrativa de Nelly, a governanta, e do Sr. Lockwood, vistante da fazenda do Morro... a história contada desde a infância vai criando no leitor a expectativa por conhecer quem são os personagens tão pouco convencionais que aos poucos vão aparacendo numa Inglaterra do sec. XVIII, numa fazenda rústica pertencente a um rico senhor chamado Earnshaw, que leva para casa um menino misterioso para viver junto com seus filhos verdadeiros. Ele, Heathcliff, tão amado pelo senhor Earnshaw quanto os próprios filhos desperta a raiva e inveja de Hindley, primogênito de Earnshaw. Já Catherine, a irmã, torna-se amiga inseparável de Heathcliff... e com o tempo essa amizade se transforma em uma paixão avassaladora.
Com a morte de Earnshaw, Heathcliff cai nas mãos do vingativo Hindley, que transforma a vida do rapaz em um inferno de sofrimento e humilhação. Daí o caráter bruto e rude de Heathcliff, gerando uma mágoa indestrutível que arruinará a vida de muitas pessoas.

A própria Catherine, apaixonada por ele, aceita se casar com o rico e educado vizinho Edgar Linton, desprezando e humilhando o pobre e ignorante Heathcliff que, revoltado, vai embora do Morro para regressar dois anos depois, rico e disposto a vingança por todas as humilhações sofridas.

Se você gosta de ler histórias de amor, leia O Morro dos Ventos Uivantes, mas não espere jamais por um romance água com açúcar... O que você vai encontrar é um amor avassalador e uma paixão mais forte do que a própria morte. Você vai se ver cara a cara com os piores sentimentos humanos: ódio, crueldade, arrogância, brutalidade, orgulho, avareza... Do início ao fim você vai mergulhar num cenário tenebroso e dramático descrito prodigiosamente pela autora.



(Postado por Infinito Particular)


 Nunca vi um filme tao puro e belo quanto esse...

 
 
 
“Meditarias: as pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem há o que são e nem sempre se mostra. Há os níveis não formulados, camadas imperceptíveis, fantasias que nem sempre controlamos, expectativas que quase nunca se cumprem e sobretudo como dizias, emoções.”
 
 

terça-feira, 24 de janeiro de 2012


Em luta, meu ser se parte em dois. Um que foge, outro que aceita.


Caio


Quando chegar o momento, morrerei por alguma das mazelas do mundo,
menos por covardia afetiva. Desse mal sei que não morro,

- Não mais - .





(Ana Jácomo)
Amor, então, também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei é que se transforma
numa matéria-prima que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
... Ou em rima.


Paulo Leminski

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012



Quando eu parar de me impor torturas medievais
em nome de esperanças frustradas,
minha pele (finalmente) conhecerá o significado de paz.


Sabrina Davanzo
E é assim que a gente vai vivendo, sabe? Errando pra aprender. Se decepcionando pra se proteger. Se machucando pra crescer. Chorando pra sorrir. A gente cai uma vez, pra aprender a se levantar em outra. No fim, tudo que for bom, verdadeiro, tudo o que realmente nos fizer bem, permanece.



O meu problema é esse...eu acredito ainda no que as pessoas me falam...e tenho sentimentos...e por isso mesmo...por esses sentimentos mexerem comigo minha vida vira um inferno...e ai do nada,sem querer...descubro uma coisa... e vejo que nao é nada disso...as pessoas dizem e prometem coisas por esporte...e nao se importam nem um pouco com a repercussao de suas palavras na vida psicologica e ate mesmo fisica da outra pessoa...e ai mais uma vez a gente aprende na marra e lembra da frase tao antiga e tao atual de Shakespeare ... "Aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam" ...

domingo, 22 de janeiro de 2012

“Mulheres comportadas, raramente fazem historia”
Marilyn Monroe
“Alguém que faz você acreditar que realmente tem algo bom no mundo. Alguém que te convence que lá tem uma porta destrancada só esperando você abri-la. Isso é uma amizade pra sempre.” 
Marilyn Monroe
” Uma garota sábia beija mas não ama, escuta mas não acredita e parte antes de ser abandonada.
Marilyn Monroe
 
 Eu estou muito longe de querer agradar a toda a gente pelo contrario, estou cada vez mais selectiva e refugiada desta selva que chamam mundo!
Marilyn Monroe
 
 
Não confundas sensibilidade com ignorância. Sou frágil, mas estou longe de ser burra...
 
 
“Pra puxar o tapete tem de monte, na hora de estender a mão todo mundo se esconde!”
Marilyn Monroe
 
Pessoas perfeitas não mentem, não brigam, não bebem, não discutem, não erram, "NÃO EXISTEM".
Marilyn Monroe
"Hollywood é um lugar onde te pagam mil dólares por um beijo e cinqüenta centavos por sua alma."
Marilyn Monroe
 
 
 
Indiretas são como as últimas roupas da liquidação: sempre servem pra alguém.
Marilyn Monroe