segunda-feira, 22 de outubro de 2012

 É que dizer que o amor é fome parece que reduz tudo à necessidade e ponto. Mas essa história de fome é coisa à esmiuçar-se. Amor é fome trocada em miúdos. O amor tem fome de todos, enquanto todos têm fome de amor. Fome primária, mãe do destino e das boas vontades. Tudo que é feito é feito em busca do amor; amor-aprovação, amor-provação, amor-admiração, amor-consolação, amor-tesão, amor-demonstração, amor "eu sou importante pra alguém". O toque não o sacia. Nem o gozo, nem a repetição das mesmas palavras românticas que se sabem de cor e salteado desde os tempos das estórias das carochinhas apaixonadas, desde a concepção da primeira estrela do céu, até o brilho de estrela que se encontra nos olhos amados de alguém. A fome grita. O amor grita. Tudo gira caleidoscopicamente como vertigens causadas por fomes ancestrais. O amor é o sentimento mais faminto, ávido por devorar suas vítimas. Quanto mais amor, mais amor se quer. Houve o amor primeiro. Primeiro de tudo. Conhecido e provado, vira o TUDO QUE SE QUER. O amor está embutido em todas as ânsias humanas. É tudo por amor. Até os desvarios. Ninguém está  imune e muito menos impune à essa primitividade. Fome de amor é fome de tudo: do corpo de quem se ama, mas também de todos os outros corpos que se quer por perto pra fazer sentido existir. Amor é pão que se come no abraço, mas também no braço de quem nos convida à continuar. Um amigo. Morre um pouco todos os dias  quem não conhece o amor de um amigo, ou o perdeu, quem se afasta, quem aprende a controlar a fome e sacia-se com migalhas, e que são tantos, quase não seria exagero dizer que somos todos, carentes de amor, amor sonho, amor fada, amor mãe, amor de amado. Talvez seja reduzido dizer que o amor é fome, talvez o amor seja a vontade de devorar o mundo, o que não é contemplado de dúvida é o fato de que somos todos famintos de amor.
E disso, nem mesmo Deus nos salva.

( Be Lins)



Ha um tempo para tudo nessa nossa existencia...
Tempo exato... no seu exato momento...
Tempo para nascer... tempo para morrer...
Tempo para plantar e colher...
Tempos de guerra e tempos de paz...
Tempo para aprender e ensinar... chorar e sorrir...
Tempo de ficar ... e tempo de partir...

É  preciso saber ler o tempo... e aceita-lo...



12 comentários:

  1. Olá querida Frida,

    O amor, ai o amor, esse "terror", que todo o mundo quer, anseia, procura.
    E mesmo quando o amor não lhe sorri, o ser, humano ou não, tende a procurá-lo, de novo.
    Seja qual for o tipo de amor e por quem, o amor é BÁSICO, ou seja, é como comer, respirar ou beber, é uma necessidade elementar.

    Exatamente. Tudo tem seu tempo. Criança recém nascida não comme alimentos sólidos, por exemplo.
    Temos de aceitar as características do tempo.

    Boa semana, minha amiga.

    Beijos pra você e pra seu pequenino GRANDE AMOR, da Luz, com carinho e ternurinha.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ahh Frida.. definir o amor... é impossível.. mas o fizeste bem. Uma pequena parte dessa palavra polissêmica... cheia de arestas, detalhes e frestas...
    Quanto ao tempo e ao amor, deixo-te um poema de Mário Quintana - poeta brasileiro:
    O tempo

    A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
    Quando se vê, já são seis horas!
    Quando de vê, já é sexta-feira!
    Quando se vê, já é natal...
    Quando se vê, já terminou o ano...
    Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
    Quando se vê passaram 50 anos!
    Agora é tarde demais para ser reprovado...
    Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
    Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
    Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
    E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
    Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
    A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.

    Mario Quintana

    ResponderExcluir
  4. Difícil é aceitar que o tempo certo não é aquele que queremos.
    Mas fazer o quê?
    É preciso aceitá-lo.

    ResponderExcluir
  5. Olá Flor! Adorei o blog, simplesmente fantástico!

    Estou seguindo! Parabéns pelo seu trabalho, adorei cada cantinho daqui :)

    Grande beijo, tenha uma ótima semana e muito sucesso pra vc

    ;**

    ResponderExcluir
  6. COmo é difícil entender o tempo...

    Belo post!

    Conheça meus IMPROVISOS http://mailsonfurtado.com

    ResponderExcluir
  7. "Amor é pão que se come no abraço, mas também no braço de quem nos convida à continuar. " Belíssima citação, muito obrigada querida Frida, por me apresentar o Be Lins, ainda não o conheci, fiquei encantada.

    Quanto ao tempo, não podemos detê-lo, não podemos mudá-lo, ele sim nos detêm e nos modifica, somos apenas espectadores dessa metamorfose desenfreada...

    ResponderExcluir
  8. como passa devagar o tempo quando queremos que ele voe.... paciencia deveria ser vendida em frasquinhos simples de encontrar e não muito caros.

    Bom fim de semana

    ResponderExcluir
  9. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  10. amor é a finalidade de quase tudo...ou era...tempos estranhos

    nem sei mais do que corro atrás mas quando o amor realmente era objetivo ate era mais gostoso

    ResponderExcluir