sexta-feira, 5 de outubro de 2012



Mil anos atrás, uma história de amor foi interrompida pela desgraça e uma maldição. Um poder tão maligno que tinha conseguido dominar seus espíritos geração após geração. E enquanto isso, os apaixonados esperam... condenados a se reencontrar e voltar a se perder por culpa do ciúme e do ódio. O cavaleiro e a dama. O guerreiro e a donzela. Até que talvez um dia, talvez em nossa época, séculos depois, um poder superior e benigno consiga pôr um fim ao malefício. 

O cenário é a Espanha, em duas épocas distintas, a medieval e os dias atuais. 


Na era medieval, conhecemos o amor dos jovens Sancho e Guiomar, ele um jovem e corajoso guerreiro do grupo de El Cid, ela uma bela donzela  da nobreza espanhola,  criada por sua cruel madrasta, Dona Brianda. 
Temos aqui aqueles amores que nascem de um primeiro olhar, contagiantes e totalmente insanos; amores que levam os amantes a jurar lealdade com a própria vida, que vão contra as convenções de uma época e despertam a inveja de muitas pessoas, tornando -se assim um amor proibido.

Ele é apenas um guerreiro, sem linhagem nobre e fortuna, não pode ser o escolhido para o marido de Guiomar, que de acordo com os desejos da família deve casar -se com um homem mais rico que ela, afim de unir duas enormes fortunas e mais poder. Além de não ser o noivo perfeito, Sancho desperta os desejos de outra mulher, que ao ser rejeitada pelo rapaz, busca uma vingança.

Quem deseja Sancho mais que tudo no mundo, é Dona Brianda, sentindo - se desprezada pelo rapaz, ela busca os conhecimentos de um poderoso bruxo afim de impedir a felicidade  do jovem casal, tomada pela inveja e pela raiva, Brianda vende sua alma e liberta uma terrível maldição sobre o casal, mas além de Sancho e Guiomar, todos os que estão ligados a história de amor deles, inclusive Brianda, são amaldiçoados.
Uma eternidade sem descanso, para a alma de cada personagem desta história e três chances em 1000 anos para reverter tal maldição.

Já nos dias atuais, temos um grupo de jovens artistas, que trabalham na montagem de uma apresentação sobre a época de El Cid e para melhor caracterização dos personagens, viaja aos locais que El Cid viveu. 

Entre eles, temos Glória e Sérgio, que desde seu primeiro encontro, percebem que tem uma estranha conexão. Quando cruzam seus olhares, são tomados por algo desconhecido e agem como se fossem outras pessoas, são inundados por fortes sentimentos.


"Tinha sido… Como tinha sido? Como encontrar-se com alguém que existe na própria imaginação, como ver na vida real a figura de um sonho, como recuperar algo enormemente valioso que se achava perdido para sempre, como… como apaixonar -se, simplesmente…"



Eu li essa resenha do livro no blog Moolight ... e resolvi lê-lo... muito bom... do jeito que gosto ... romance em um cenario da  era  medieval...



Cordeluna... vale a pena ler... 




Ps.: Alias ... leia sempre...  ler é abrir horizontes... o maior bem de uma pessoa, entre outras coisas,  é a cultura... quem lê esta apto a  comparar opiniões, acontecimentos, impressões e emoções... a entender o mundo ao seu redor ...
E convenhamos... vai se tornar uma pessoa muito mais interessante...



7 comentários:

  1. Olá!Boa noite!
    .. Cordeluna ,não li tudo, mas eu achei uma ideia muito original entre duas épocas muito diferentes... duas histórias, antiga e moderna,um paralelismo contante...
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Bom final de semana!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Bela conclusão Amiga.Ler e ler é tudo que podemos fazer por nós.Quem lê abre horizontes,escreve mais e se entende mais.
    Boa leitura e partilha.
    Carinhoso abraço e belo fim de semana a voce.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. É isso aí minha amiga ler nos deixa mais sábios, a história parece ser realmente encantadora e nos fisga de primeira. Estou lendo uma ótima história também, é sobre a infanta Catalina, a história é empolgante: "A princesa leal" de Philippa Gregory, ela é também autora de: "A irmã de Ana Bolena"

    Abraços pra ti e um excelente fim de semana

    ResponderExcluir
  4. Oi querida Frida,

    Conheço muito bem a história deses jovens e a maldição a que foram votados.
    Tudo o que é probido, me atrai.

    Ler, é sem dúvida, conhecer, saber mais.

    Bom Domingo.
    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir

  5. Este pensador, viajeiro entre Sois
    Esta Ave pousada em mil embarcações
    Esbarco que passa sem vela ou remo
    Esta arca repleta de vibrantes emoções

    Esta mestiça flor de açafrão
    Este ramo de espinhos cravados na mão
    Esta alma que não ousa largar opinião
    Este homem vestido de solidão

    Bom domingo

    Doce beijo

    ResponderExcluir
  6. Ler nos liberta da asfixia que é viver.
    Beijos,

    ResponderExcluir