segunda-feira, 6 de agosto de 2012

já não estás só





Tocas um corpo, sentes-Ihe o repetido tremor
sob os teus dedos, o cálido andamento do sangue.
Observas-Ihe o lânguido amolecimento,
as suas sombras corporais, o seu desvelado esplendor.
Não há palavras. Tocas um corpo; um mundo
enche agora as tuas mãos empurra o seu destino.
Estira-se o tempo nos pulmões
silva como um chicote rente aos lábios.
As horas, o instante, detêm-se,
extrais aí a tua pequena parcela de eternidade.
Antes foram os nomes e as datas.
a história tão clara e lúcida de dois rostos distantes.
Depois aquilo a que chamas amor,
talvez se transforme em promessa arrancada,
muro erguido que pretende encerrar
aquilo que só em liberdade pode ganhar-se.
Não importa, agora nada importa.
Tocas um corpo, nele te fundes,
apalpas a vida, real, comum.

Já não estás só.




Juan Luis Panero

Um comentário:

  1. Uma dor, um vazio, a desilusão.
    Uma bela cosntrução e bem ilustrada.
    Suas ilustrações são fantasticas,elas carregam historias,realmente inspiradoras.Vejo uma fonte bela por aqui amiga.
    Meu carinhoso abraço.
    Bjo.

    ResponderExcluir