sexta-feira, 11 de maio de 2012


Manutenção com Rituximabe aumenta sobrevida de pacientes com Linfoma Indolente

Estudo mostrou que o medicamento em associação com quimioterapia aumenta a sobrevida e melhora a qualidade de vida de pacientes






Estudo apresentado no Congresso da ASCO mostrou que a terapia de manutenção com rituximabe deve ser adicionada ao tratamento padrão para pacientes com linfoma folicular, doença que representa de 15% a 30% dos linfomas diagnosticados recentemente. É um linfoma indolente caracterizado pelo crescimento lento e pela alta taxa de resposta inicial. A maioria dos pacientes com linfoma folicular responde ao tratamento inicial, mas geralmente apresenta recaída e doença progressiva.
Com o objetivo de avaliar o efeito do tratamento de manutenção com rituximabe na sobrevida dos pacientes com linfoma folicular, o estudo mostrou que o medicamento em associação com quimioterapia aumenta a sobrevida e melhora a qualidade de vida de pacientes com linfoma folicular em comparação com a quimioterapia sozinha.
Participaram do estudo 1.217 pacientes de 25 países, que foram inicialmente tratados com quimioterapia e depois randomizados para receber a manutenção com rituximabe contra pacientes que foram observados sem o medicamento. A manutenção foi realizada a cada dois meses durante dois anos. O objetivo primário deste estudo foi a sobrevida livre de progressão da doença, ou seja, viver com melhor qualidade de vida sem o aparecimento dos sintomas do tumor. Em dois anos, 82% de 505 pacientes que receberam a manutenção com o medicamento estavam sem a recidiva da doença contra 66% de 513 que foram randomizados para observação sem a medicação.
A terapia de manutenção também reduziu em 50% o risco de morte ou progressão da doença (intervalo de confiança de 95% da redução de risco = 36% a 61%). O benefício da manutenção com rituximabe foi consistente em todos os subgrupos analisados.  A manutenção também demonstrou prolongar a remissão completa com evidência de melhora da qualidade de vida.
Segundo a oncologista Yana Novis, o rituximabe aumenta a melhora da resposta completa e permite que o paciente fique mais tempo sem a necessidade de tratamento. Além disso, define o papel do rituximabe como um elemento importante no tratamento padrão de pacientes com linfoma indolente, tanto na fase de indução com quimioterapia como na fase de manutenção. “Estes resultados sugerem que a terapia de manutenção com rituximabe, por até dois anos, deve ser adicionado à terapia padrão em pacientes com linfoma indolente”, comenta a especialista.
Para o médico hematologista dr. Bernardo Garicochea, o maior resultado do estudo foi o aumento muito importante no tempo livre sem a doença, ou seja, no período em que o paciente fica sem os sinais do linfoma. “É importante ressaltar que o grupo que recebeu as doses de manutenção de rituximabe não tiveram efeitos tóxicos importantes, especialmente relacionados à imunidade”, completa o médico.
O rituximabe é um anticorpo monoclonal dirigido contra o CD20, uma proteína localizada na superfície de alguns linfócitos (ou glóbulos brancos). Ao se ligar a essa proteína, o rituximabe desencadeia uma série de reações químicas que levam à morte do linfócito de forma direta ou indireta, ativando também outras células que destroem linfócitos que apresentem a CD-20 em sua superfície.

2 comentários:

  1. Olá!Bom dia!
    Tudo bem?
    ...nossa..este texto... lembrou de uma fase, onde ficava procurando, textos e mais textos , para que eu tivesse SEMPRE esperanças, que eu daria a volta por cima...como dei!
    ...sim...a sua sensibilidade ao ler meu texto, captou o que eu NÃO QUIS ESCREVER...melhor assim...
    Bom final de semana!
    Beijos com carinho

    Boa

    ResponderExcluir
  2. ah..sim..esqueci..de mencionar, no meu comentário acima..NÃO QUIS ESCREVER, mas,a situação chegou a um ponto que ESTOU CONFORMADO...apesar de nw estar CONFORTADO...
    Beijos
    Bom sábado

    ResponderExcluir