segunda-feira, 14 de maio de 2012


Desabafo

"Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
A hora do encontro é também
Despedida..."


Tantos pensamentos têm me visitado...
Tantas questões que eu gostaria de abordar...
Tantos encontros
Tantas despedidas
Tantos desencontros
Tanto a informar
Tanto a conhecer
Tanto a fazer
Tanto a viver
TANTO!!!

A cada instante me deparo com questões do dia-a-dia que merecem ser discutidas, abordadas de uma forma verdadeira, sem a superficialidade com que o senso comum e até mesmo a falta de conhecimento tratam assuntos sérios, dignos de esclarecimentos e que depois dos 5 minutos de fama caem no esquecimento ou até pior, fixam-se os enganos de informações incompletas e até distorcidas.

O câncer tem sido manchete diária nas grandes e pequenas mídias, e apesar de a palavra ser cada vez mais pronunciada (há ainda um ranço supersticioso que impede muitos de dirigir-se ao problema com todas as letras), a ignorância faz diariamente com que muitos seres humanos percam a chance de tratar-se adequadamente e livrar-se definitivamente das doenças assim classificadas. A negligência deveria ser crime.

Vemos inúmeras manifestações de solidariedade, apoio e carinho aos ídolos acometidos pelo câncer. Mas quantos fazem o que o galã de novelas faz, de visitar desenteressadamente instituições e hospitais que atendem outros pacientes, anônimos, cheios de carências, espalhados pelo nosso país?

Digo isso porquê é sempre muito fácil dar palavras de incentivo e carinho de longe, por meio de redes sociais, conversar com os vizinhos, com colegas de trabalho e estudo sobre o modo como esse ou aquele famoso está vencendo a doença, com muita garra, muita fé. É fácil dizer que temos de estar atentos à nossa própria saúde quando se tem plano de saúde. É fácil dizer que temos tratamentos de primeiro mundo no Brasil quando se está em São Paulo, e principalmente com equipes médicas dos hospitais top. 

O difícil é estar na pele do povo brasileiro, daquelas pessoas anônimas que lutam a vida inteira, de sol a sol, sem acesso a nenhuma informação senão a que é veiculada pela TV ou o rádio, inúmeras vezes distorcida e moldada conforme os interesses de quem quer que seja. Difícil é conseguir uma consulta no posto de saúde para ser encaminhado ao especialista que fará o encaminhamento para o centro de tratamento oncológico através do SUS. Difícil é conseguir passar pelo médico do posto de saúde que preenche o formulário de solicitação do bilhete único especial, que isenta o paciente oncológico e seu acompanhante de pagar as tarifas nos transportes públicos. Difícil é marcar, realizar um exame mais complexo e só ter acesso ao seu resultado na consulta marcada para depois de muito tempo, e ainda o médico faltar nesse dia e ter de remarcar a data. Difícil é haver crianças que fazem quimioterapia via acessos periféricos, pois certos hospitais não têm a conduta responsável de implantar cateter venoso central (port-o-cath) para seus tratamentos, dando desculpas esfarrapadas quando questionados.

Esse é um pequeno desabafo que faço enquanto reflito a realidade vivida em terras brasileiras.

Vamos em frente! Mas vamos conscientes e pensando na coletividade, no todo, na melhoria de nossa saúde em todas as classes sociais, em todas as faixas etárias, para todos os cidadãos, sem qualquer distinção.

Abraços

Fé na vida!


(Postado pelo blog  Encontrando Dr. Hodgkin)

Um comentário:

  1. O texto é de uma profunda realidade com otima reflexão de nosso compromisso por um mundo melhor e mais justo.Um mundo sem fome, onde cada um pode doar um pouco de suas habilidades para este objetivo.
    Bela escolha de texto.
    Abraços.
    Belo passeio aqui.

    ResponderExcluir