segunda-feira, 30 de abril de 2012


Que você acredite que não me deve nada simplesmente porque os amores mais puros não entendem dívida, nem mágoa, nem arrependimento.
Então, que não se arrependa.
Da gente.
Do que fomos.
De tudo o que vivemos.
Que você me guarde na memória, mais do que nas fotos.
Que termine com a sensação de ter me degustado por completo,
mas como quem sai da mesa antes da sobremesa: com a impressão que poderia ter se fartado um pouco mais.
E que, até o último dia da sua vida, você espalhe delicadamente a nossa história, para poucos ouvintes, como se ela tivesse sido a mais bela história de amor da sua vida.
E que uma parte de você acredite que ela foi,
de fato,
a mais bela história de amor da sua vida.
(Tati Bernardi)

5 comentários:

  1. Two crazy, não dá pra entender!

    ResponderExcluir
  2. Bela história...apostava num outro final...belo texto

    ResponderExcluir
  3. Historias sao assim mesmo...as vezes podem dar certo, as vezes nao, depende das circunstancias que as cercam... agora o amor... esse sim... sobrevive ao tempo... ao espaço e ate ao fim das historias... pq elas podem ate acabar...mas o amor é eterno...

    "O verdadeiro amor sempre levamos conosco!"
    assim dizia Sam... o personagem de Patrick Swayze em Ghost - do outro lado da vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo, acompanho a "long time", mas o que faltou para mudar o final?

      Excluir